A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 23 de Maio de 2018


  • Jogo Aberto
  • Jogo Aberto

    jogoaberto@campograndenews.com.br


02/10/2015 06:00

Devassa em contas leva pânico para quem não foi preso

Edivaldo Bitencourt

Sem holofotes – O desembargador Luiz Cláudio Bonassini da Silva, do Tribunal de Justiça, tentou acabar com o circo montado no entorno da Operação Coffee Break. Ele fez questão de deixar claro que é contra o espetáculo montado na investigação sobre a cassação de Alcides Bernal (PP).

Só Jesus – Sob pressão da Justiça, familiares e amigos do prefeito afastado, Gilmar Olarte (PP), recorreram a músicas de louvor. Vizinhos ouviram, ontem, hinos religiosos sendo tocados dentro da residência do progressista, que é pastor e teve a prisão decretada pela Justiça.

Estratégia – João Amorim, dono da Proteco, acabou se entregando para facilitar o trabalho da defesa. Se fosse preso pela polícia, o risco dele ter a prisão temporária convertida em preventiva seria maior. A esperança agora é que a agonia acabe até a próxima terça-feira, quando termina o prazo da prisão temporária.

Alívio – Os 17 vereadores receberam com alívio a informação de que o pedido de afastamento foi negado pela Justiça. Liderados pelo presidente interino da Câmara, Flavio César (PTdoB), eles passaram a manhã elogiando o trabalho do desembargador Luiz Cláudio Bonassini, que se transformou em xodó do grupo suspeito de vender o voto para apear Bernal do cargo.

Interesses – Chamou a atenção de jornalistas a ida de um homem com crachá da Câmara Municipal para a coletiva de Marcos Alex, coordenador do Gaeco, no Instituto de Criminalística. O jornalista era o mais incisivo nos questionamentos sobre a Operação Coffee Break e nem ficou vermelho em estar defendo um lado na história.

Vazamento – O vazamento dos pedidos de prisões e afastamentos não irritaram apenas Bonassini. Marcos Alex, do Gaeco, também não escondeu o desânimo com a história. Agora, fica o mistério, a quem interessou e beneficiou o vazamento da informação? O juiz foi direto e incisivo de que a falha ocorreu dentro do MPE.

Ih, e agora?Vereadores e políticos estão apavorados com a quebra do sigilo bancário e fiscal. O Gaeco espera ter provas contundentes do pagamento de propinas para comprar os vereadores. A devassa poderá confirmar a suspeita de que a cassação de Bernal rendeu de R$ 100 mil a R$ 1 milhão para os vereadores envolvidos.

Agonia – A demora do prefeito da Capital, Alcides Bernal (PP), em compor a equipe é motivo de agonia. Tem gente com o nome certo na equipe que ainda não viu o nome no Diário Oficial do Município. Não bastasse isso, o diário é publicado só após o início da noite.

Interina – Interina no cargo, a secretária municipal de Educação, Leila Machado, decidiu rever a forma de reposição nas aulas. Ela suspendeu o quinto tempo adotado pelas escolas para repor o tempo perdido durante a greve, que ocorreu entre 25 de maio e 25 de agosto. No entanto, a suspensão pode valer só até a nomeação do novo secretário de Educação.

(colaborou Paulo Yafusso)

DEM e a disputa entre André e Reinaldo
Já escolhi - Sobre a declaração de Puccinelli que estaria "namorando" o DEM, o deputado Zé Teixeira fez brincadeira para dizer de qual lado da disput...
Maioria prefere Lava Jato à Copa do Mundo
Copa? – Pesquisa do Instituto Paraná mostra que, a menos de um mês do Mundial da Rússia, o brasileiro não está muito motivado com o assunto. A consul...
Ex-ministro não errou o “do Sul”, mas...
Gafe - O ex-ministro Henrique Meireles (MDB) em um dos diversos discursos no evento em Campo Grande neste sábado (19) confundiu Mato Grosso do Sul co...
PMs presos têm “festival de ações”
Conhecidos da justiça - Entre as duas dezenas de policiais militares de Mato Grosso do Sul presos esta semana por suspeita de facilitar a vida dos co...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions