ACOMPANHE-NOS    
JULHO, QUINTA  02    CAMPO GRANDE 18º

Jogo Aberto

Maçã podre

Por Jogo Aberto | 12/03/2012 06:00

Começou mal

O PT reuniu 30 integrantes da coordenação de campanha de Vander Loubet na Capital para ouvir uma análise sobre o eleitor campo-grandense. Porém, um dos principais interessados, o coordenador da campanha, deputado federal Antônio Carlos Biffi, chegou ao evento com uma hora de atraso.

Deixa comigo

O senador Delcídio Amaral percebeu a ausência logo que chegou e para evitar constrangimento maior com os colegas que já aguardavam 45 minutos, o senador disse que o evento podia começar, porque assumiria a coordenação.

Justificativa

Alguns colegas do deputado justificaram o atraso, lembrando que ele comemorou o aniversário na noite anterior.

Tendência

O senador Delcídio Amaral comentou que a maioria das pessoas não têm o costume de acordar cedo. Citou, também, que em Brasília, os compromissos são marcados para depois das 10 horas.

Tática

O senador admitiu, ainda, que quem marca evento às 8h30 é quando não quer que dê quórum.

Má companhia

Mato Grosso do Sul está junto com Rio de Janeiro, Distrito Federal e São Paulo em um dado nada positivo.Juntos, esses estados concentram mais da metade dos servidores públicos expulsos este ano, como punição por envolvimento em algum tipo de irregularidade, conforme a CGU (Controladoria Geral da União).

Números

Este ano, conforme os dados da CGU, já foram expulsos 7 servidores de órgãos federais em MS, de um total de 67 no País. No ano passado, haviam sido 11 em MS e 564 no país.

Acumulado

Desde 2007, 44 servidores federais foram punidos com a expulsão do serviço público em MS. Nesse ranking, a posição é o 18º lugar.

Sentimento

Prestes a ser aposentado compulsoriamente, o presidente do Tribunal de Justiça, o desembargador Luis Carlos Santini, disse esta semana que fica "um pouco frustrado" de deixar o cargo sem uma resolução sobre a mudança para um prédio só dos juizados especiais, que estão em locais separados em Campo Grande.

Elefante marrom

No fim do ano passado, o projeto divulgado, tanto pelo Tribunal quanto pela Prefeitura, era abrigar os juizados na antiga rodoviária de Campo Grande. A ideia parece que não vai vingar e agora, fica a pergunta: o que vai ser daquele lugar, tão estigmatizado?