ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
MAIO, TERÇA  21    CAMPO GRANDE 22º

Jogo Aberto

Militância disputou 300 vagas em evento fechado com Lula

Por Fernanda Palheta, Anahi Zurutuza, Caroline Maldonado e Gabriela Couto | 12/04/2024 06:00
Tenda montada nos fundos de planta frigorífica, onde presidente Lula será recebido nesta sexta (Foto: Direto das Ruas)
Tenda montada nos fundos de planta frigorífica, onde presidente Lula será recebido nesta sexta (Foto: Direto das Ruas)

300 lugares – O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) estará em Mato Grosso do Sul nesta sexta-feira (12) para inaugurar a exportação de carne para a China de frigoríficos recém habilitados. Porém a agenda do petista será totalmente institucional. Para ver a presidente a militância disputou os 300 lugares disponibilizados pelo cerimonial do Palácio do Planalto. De acordo com representantes do partido no Estado, não foi fácil fechar a lista.

Diversidade – Para acompanhar a agenda presidencial o partido garantiu lugares para vários dos seguimentos da militância: CUT (Central Única dos Trabalhadores), MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais sem Terra), indígenas, quilombolas, juventude e comunidade LGBTQIAP+.

Lugar ao sol – Completam a lista de convidados, dirigentes do PT, vereadores e pré-candidatos petistas da disputa eleitoral deste ano, que devem tentar as famosas selfies com Lula. Boa parte dos integrantes da sigla, virá do interior de Mato Grosso do Sul, apurou a coluna.

“Do Sul” – Ao anunciar detalhes técnicos e o impacto econômico da habilitação de 38 frigoríficos para a exportação de carne para a China, na tarde desta quinta-feira (11), o secretário de Comércio e Relações Internacionais do Ministério da Agricultura e Pecuária, Roberto Perosa, acertou inúmeros dados, menos o nome do estado em que será realizado o ato de inauguração da exportação. Perosa repetiu diversas vezes “Mato Grosso”. Apenas na quinta vez em que citou a agenda do presidente, se lembrou de acrescentar o “do Sul”.

Passado polêmico – Questionado sobre a “escolha” da JBS para a habilitação da exportação de carne para a China devido ao “passado polêmico” da empresa, tocada no Brasil pelos irmãos Joesley e Wesley Batista, o secretário de Comércio e Relações Internacionais desviou da pergunta e respondeu tecnicamente explicando que todos os frigoríficos brasileiros passaram pelo processo de habilitação e a decisão de credenciar as plantas foi do governo chinês.

Agenda cheia – O presidente da Câmara Municipal de Campo Grande, Carlos Augusto Borges, o “Carlão” (PSB), não vai participar da recepção ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) nesta sexta-feira (12). Ele já tem viagem programada a sua cidade, Pedro Gomes. Por lá, como de costume, vai “cavar buracos” em obra na chácara, nas palavras dele.

No aguardo - Carlão está confiante que a prefeita Adriane Lopes (PP) não vai vetar as mudanças feitas pelos vereadores no projeto do estacionamento rotativo da Capital. Eles reduziram de 15 anos para 12 o tempo de concessão a empresa escolhida, além de inserir no texto a obrigação de que o uso do recurso recolhido pela prefeitura seja usado somente depois de aprovado pela Câmara o destino.

Um dos envolvidos na montagem, André Furquim filmou mar de motos no estacionamento da JBS (Foto: Reprodução)
Um dos envolvidos na montagem, André Furquim filmou mar de motos no estacionamento da JBS (Foto: Reprodução)

Mar de motos – A quantidade de motocicletas no estacionamento da unidade 2 da JBS em Campo Grande, onde será feito o embarque da carga de proteína animal para a China, impressionou o decorador e promotor de eventos, André Furquim, que estava no local na manhã de ontem (11) para a montagem da estrutura para receber Lula. “Olha isso aqui. Meu Deus do céu”, disse ao filmar o “mar de motos”. O veículo deve ser usado para o ir e vir de boa parte dos funcionários, já que o frigorífico fica na BR-060, afastado da cidade, o que mostra, portanto, a dimensão da planta na Capital.

Multa ao agressor – O deputado estadual Rinaldo Modesto (Podemos) apresentou projeto de lei, que institui mecanismo para coibição da violência contra a mulher. Proposta semelhante está em tramitação no Congresso Nacional. A ideia é multar o agressor de mulheres e também obrigá-lo a fazer o ressarcimento das despesas decorrentes do respectivo atendimento.

Pode dobrar – A multa será aplicada considerando a capacidade econômica do agressor e a gravidade da infração, não podendo ser inferior a 10 e nem superior a 10 mil Uferms. O valor será aumentado em 2/3, caso a violência seja empregada com o uso de arma de fogo. E, aplicada em dobro, quando ocorrer reincidência, ainda que genérica.

Nos siga no Google Notícias