ACOMPANHE-NOS    
JUNHO, QUARTA  03    CAMPO GRANDE 19º

Jogo Aberto

"Não seja o Patinho Feio sem máscara", pede prefeito

Por Ângela Kempfer e Leonardo Rocha | 14/05/2020 06:00
Marquinhos Trad comparou quem não usa máscara ao Patinho Feio do conto infantil.
Marquinhos Trad comparou quem não usa máscara ao Patinho Feio do conto infantil.

Força divina – O prefeito Marquinhos Trad (PSD) anda mais religioso do que nunca. Nas lives que tem feito pela manhã, para apresentar dados da covid-19, reforça a necessidade da população ”ajoelhar” e pedir proteção a Deus. Ontem, solicitou auxílio até aos “anjos querubins e serafins”, segundo ele, “os mais fortes, os mais guerreiros”. “Entregamos as chaves da nossa cidade nas suas mãos”, disse Marquinhos.

De máscara - Ele também pareceu bem satisfeito com o primeiro dia de obrigatoriedade do uso de máscaras nas repartições públicas. “Entrei em algumas salas, que por vezes, pelo automatismo, nem vemos. Todos eles (servidores) estavam usando máscaras no Paço. Parabéns a nossa equipe”, comentou.

Patinho Feio - Para o restante da população que ainda não entendeu a necessidade de proteção com máscara, o prefeito  mandou recado: “Não seja o Patinho Feio da história”, apesar da fábula ter um final bem feliz para o bichinho que nasce diferente, mas termina como cisne.

Arquivado - O projeto do deputado Felipe Orro (PSDB), que previa desconto de 30% nas mensalidades das escolas particulares, durante a paralisação das aulas presenciais, foi arquivado pela CCJ (Comissão de Constituição e Justiça). A proposta teve cinco votos contrários, porque os integrantes a consideraram inconstitucional, já que segundo eles, a medida deve ser propostas apenas pela União.

Acerto - Para o advogado constitucionalista, André Borges, a decisão foi acertada pelos deputados, porque o tema não deve ser definido na Assembleia Legislativa e sim por uma medida federal. "Só pode ser sugerido por meio de projeto de lei no Congresso Nacional", destacou.

Polêmicos - O deputado estadual João Henrique Catan (PL) fez um pedido para mesa diretora para que não sejam votados projetos polêmicos durante este período de pandemia. "Deixem as outras matérias para avaliar depois deste período", solicitou.

Discordo - A questão também foi defendida por Lucas de Lima (SD). Já o presidente da Assembleia Legislativa, Paulo Corrêa (PSDB), discordou dos colegas. "Não concordo, porque entendo que projetos importantes devem ser votados neste momento também", pontuou.

Cabalístico  - Os deputados brincaram que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) só vai sancionar a lei de socorro aos estados na quinta-feira, por ser dia 14 de maio. "Ele não iria sancionar no dia 13", disse Paulo Corrêa (PSDB), em referência ao número do PT nas urnas. A preocupação dos parlamentares era conseguir aprovar a permanência do abono dos servidores de Mato Grosso do Sul antes da medida federal que impede reajustes.

Em casa - Depois de show em plena pandemia, em festinha de aniversário infantil no dia 1ª de maio, em São Gabriel do Oeste, a dupla Patrícia e Adriana resolveu respeitar o isolamento social. Pelo menos teoricamente. Ontem, elas fizeram a Moagem Live, uma apresentação solidária na internet com patrocínio de cervejaria das grandes.

Puxão de orelha - O vereador Rogério  Rohr (PSD), que contratou as duas para a festa do filho, foi notificado pela prefeitura de São Gabriel do Oeste e pode acabar multado se fizer de novo algum evento com aglomeração.