A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 28 de Junho de 2017


  • Jogo Aberto
  • Jogo Aberto

    jogoaberto@campograndenews.com.br


02/11/2016 07:00

Tentando explicar a inexplicável caixa preta da Assembleia

Waldemar Gonçalves

Sete chaves – Nada como um feriado no meio de um escândalo para ajudar. Dependendo do ponto de vista. Pelo menos no que se refere à ‘caixa preta’, trancada a sete chaves, das contratações na Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul. “Dados oficiais? Ah, só quinta-feira”, respondem, entre uma ou outra desculpa, assessores da casa.

Ensinando – O Campo Grande News tentou, ontem, obter informações da Assembleia sobre quantos funcionários estão lotados nos gabinetes de cada um dos 24 deputados estaduais. Principalmente o de Paulo Corrêa (PR), gravado “ensinando” o colega Felipe Orro (PSDB) a fraudar a folha de ponto de seu pessoal.

Inexplicável – Em uma tentativa desastrosa de explicar o inexplicável, Paulo Corrêa disse, entre outras coisas, que mantém 25 funcionários lotados em seu gabinete. Segundo fontes da Assembleia, no entanto, seus nomeados chegam a 40, no que seria um privilégio dele e de Orro, inclusive, também sem explicação até agora.

Mundo paralelo – Por fim, dados oficiais sobre esta espécie de ‘mundo paralelo’ em que vive a Assembleia Legislativa, disseram ontem à reportagem, só serão divulgados depois de submetidos à mesa diretora. Em resumo, uma demonstração de como ignorar o princípio da transparência pública.

Paz – Uma antes distante paz entre os poderes Executivo e Legislativo de Campo Grande teve seu primeiro passo ontem, com a visita de Marquinhos Trad (PSD) à Câmara Municipal. Os vereadores eram só elogios à postura do prefeito eleito da Capital.

Diferenças – O vereador Mario Cesar (PMDB) fez questão de apontar a diferença entre as atitudes de Marquinhos e o atual prefeito, Alcides Bernal (PP), nos primeiros dias após serem eleitos. Enquanto o sucessor busca parceria entre os poderes, o outro começou atacando a casa.

Transição – Mario Cesar destacou também a atitude do novo prefeito em convidar a Câmara para participar da equipe de transição. Demonstração, segundo o vereador, de que não houve mágoa ou ressentimento do novo prefeito remanescente da disputa eleitoral.

Relacionamento – Antes da reunião com os vereadores, Marquinhos voltou a destacar que nunca teve problema de relacionamento com nenhuma pessoa. “Sempre fui atencioso, simples e calmo. É conversando que a gente se entende. Comunicação e diálogo, para mim, nunca faltou”.

Presidência – Com a posse dos vereadores novos e reeleitos em 1º de janeiro de 2017, logo em seguida deve haver a eleição da presidência da Câmara Municipal para a próxima legislatura. De acordo com João Rocha (PSDB), atual presidente, o melhor cenário seria o consenso.

Parlamento – A mudança de mais da metade da composição da casa pode não ser um grande obstáculo. João Rocha diz que as conversas já começaram “faz tempo”. Afinal, completa o vereador, dialogar é a principal função de um parlamento.

(com Leonardo Rocha, Ricardo Campos Jr. e Richelieu de Carlo)

Deputado reclama de indiferença dos colegas
Queixa - O deputado Paulo Siufi (PMDB) voltou a reclamar dos integrantes da CCJR porque rejeitaram um novo projeto dele na comissão. O peemedebista a...
Marun volta a enfrentar vaias. E responde
De novo - O deputado Carlos Marun (PMDB) novamente passou por vaia em evento público. Foi ontem durante o lançamento do Festival de Inverno de Bonito...
Escolta de juiz consome perto de R$ 70 mil ao mês
Custo - Uma eventual candidatura do juiz federal Odilon de Oliveira (ele tem dito que pode disputar uma vaga ao Senado ou ao Governo do Estado) livra...
Após gravar Temer, um dos donos da JBS veio a MS
Visita ilustre - Um dos irmãos Batista, donos da JBS e deladores na Lava Jato, esteve em Campo Grande em abril. A visita ocorreu um mês depois de Joe...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions