A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 21 de Agosto de 2018

26/04/2018 07:00

Borracheiro demorou 9 anos sem folga para construir casa com vista privilegiada

Todos os dias depois de jantar Rubens se dirige a sacada para contemplar resultado de todo suor e esforço

Guilherme Henri
Rubens vai para saca contemplar vista da Capital todos os dias depois do jantar (Foto: Saul Schramm)Rubens vai para saca contemplar vista da Capital todos os dias depois do jantar (Foto: Saul Schramm)

Foram exatos nove anos em que, de domingo a domingo, o borracheiro Rubens José Miranda Barboza, 59 anos, dividia o tempo entre consertar pneus e bater massa. O resultado de todo o esforço e suor foram três lances de escada na avenida Tamandaré, que dão vista privilegiada de Campo Grande, todos os dias depois do jantar.

Mas o “ritual” não é nenhum tipo de comemoração pelo esforço. Apenas uma maneira de contemplar o que hoje é morada.

Nascido em Campo Grande, Rubens começou como borracheiro no estado vizinho, São Paulo. Porém, preferiu não ficar longe de suas raízes e voltou com a esposa ao Estado. A princípio, a borracharia, montada com muito esforço, era no Centro, mas os constantes roubos o fez querer mudar para onde está há 30 anos.

Casa e Borracharia na Tamandaré tem quatro andares (Foto: Saul Schramm)Casa e Borracharia na Tamandaré tem quatro andares (Foto: Saul Schramm)

O lugar era ainda um terreno de esquina, mas ali ele já vislumbrava o que seria trabalho e casa. “Pedi a um engenheiro que fizesse um projeto onde poderia aproveitar o máximo possível de área externa para a borracharia, devido aos veículos grandes”, lembra.

Ao atender a exigência, o projeto já mostrava que a casa precisaria ser erguida em andares. Entretanto, para que saísse do papel rabiscado, Rubens sabia que iria ralar muito. “Trabalhei de domingo a domingo por 9 anos. Sem folga. Enquanto não tinha cliente, eu e o pedreiro batíamos massa para dar forma a tudo isso”, recorda.

Hoje, a edificação com fachada amarela e parte de pisos de cerâmica recém-colocados na parede são provas vivas de que todo o esforço contado foi recompensado. De fora, três janelas dão ideia do que pode ser uma sala. Logo acima uma sacada denuncia outro andar. Ainda de quebra, o telhado com placas solares prova que também não falta tecnologia.

Rubens e filha em frente ao que foi construído com muito esforço (Foto: Saul Schramm)Rubens e filha em frente ao que foi construído com muito esforço (Foto: Saul Schramm)

Por dentro - No primeiro “andar”, a borracharia, que recebeu piso de pedra, para suportar o enorme atrito das grandes máquinas automotivas, tem área de estacionamento e manobra, além do galpão onde Rubens trabalha. Ali mesmo é possível ver a escada, que dá acesso à casa. Mas o proprietário  não permite muitas fotos internas.

A construção lembra casas que são erguidas aos poucos, em zonas periféricas. Os degraus levam direto para o meio do que é cozinha e sala. O espaço é amplo. Enquanto de um lado o cômodo tem geladeira, fogão e mesa o outro se estender em “L” com sofás e TV.

É hora de subir mais escadas. Está agora leva para o quarto de Rubens e da esposa, e depois ao da filha. Os dois quartos ficam entre uma espécie de “salinha”. Ela dá exatamente para a varanda, onde Rubens faz questão de sentar todos os dias depois de jantar. “Fico olhando a cidade. É gostoso. O ar fresco e a vista”, descreve.

Vista do último andar da casa, onde galpão de depósito divide espaço com rosas (Foto: Saul Schramm)Vista do último andar da casa, onde galpão de depósito divide espaço com rosas (Foto: Saul Schramm)

Para leigos sobre o que o lugar reserva, a vista apresentada dali estava perfeita. Contudo, Rubens insiste que “dava para subir mais”. O último lance de escada, onde para subir é preciso se encurvar, mostra o terraço ainda pouco explorado.

Lá, vasos de rosas da esposa colorem e alegram um pouco o lugar, que é usado como depósito da casa e da borracharia. Mas, é por cima do muro que a verdadeira beleza está. A visão de Campo Grande é panorâmica, privilegiada. E Rubens adianta que “de noite isso aqui fica tudo iluminado” apontando para os prédios na direção do “centrão”.

Questionado, ele diz que “construção nenhuma termina”. Então, pretende acabar de revestir toda a fachada da casa com o piso de cerâmica, pois está ficando velho e aí não precisará mais pintar o lugar quando a pintura começar a desbotar de novo.

Curta o Lado B no Facebook e no Instagram.

Borracheiro pretende terminar de coloca piso nas paredes da fachada (Foto: Saul Schramm)Borracheiro pretende terminar de coloca piso nas paredes da fachada (Foto: Saul Schramm)


imagem transparente

Classificados


Copyright © 2018 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.