ACOMPANHE-NOS    
JUNHO, TERÇA  02    CAMPO GRANDE 15º

Arquitetura

Marcelo levou “selva” para o quarto e plantas sobrevivem sem luz natural

Com pouca grana e reutilização de materiais, empresário reformou sozinho o próprio quarto no conceito Urban Jungle

Por Thailla Torres | 18/05/2020 06:49
Cama de palete ganhou novas funções depois que Marcelo reformou quarto. (Foto: Marcos Maluf)
Cama de palete ganhou novas funções depois que Marcelo reformou quarto. (Foto: Marcos Maluf)

Mesmo antes de encarar uma reforma, o biólogo e empresário Marcelo Rezende já era apaixonado por decoração, tanto é que escolheu colorir e decorar festas há alguns anos. Naturalmente, com o olhar apurado para o design de interiores e novidades que fogem das festinhas temáticas clichês, veio a vontade de ter um quarto personalizado, onde ele e o irmão, pudessem ficar confortáveis e sem precisar pagar muito por isso.

Como a casa onde mora já estava passando por uma reforma, a intenção era acompanhar a obra, mas sem o pedreiro. Então Marcelo logo pensou em transformar o quarto no estilo “faça você mesmo”, mas com muito conceito. Não podia ser só uma pintura e nova disposição de móveis.

Luz de LED garante fotossíntese quando não há luz natural. (Foto: Marcos Maluf)
Luz de LED garante fotossíntese quando não há luz natural. (Foto: Marcos Maluf)

Assim, cama e guarda-roupas tradicionais saíram do quarto, o clima da natureza também está presente no cantinho de descanso de Marcelo, que criou um repertório com muitas plantas a partir do conceito “Urban Jungle”, que consiste encher o ambiente com plantas de diversos tipos, compensando a falta de verde na vida urbana.

O verde ocupa espaço da cama até o guarda-roupa. Os benefícios, segundo Marcelo, são inúmeros. “Além de purificarem o ar, as plantinhas auxiliam em nossa saúde e bem-estar”, explica.

Para chegar a esse efeito de “selva”, Marcelo trabalhou com variedade de espécies e foi brincando com as formas, cores e alturas. “Uma dica importante é escolher sempre plantas do mesmo nicho de luminosidade”.

Cabideiro foi feito com tronco de árvore. (Foto: Marcos Maluf)
Cabideiro foi feito com tronco de árvore. (Foto: Marcos Maluf)

Mas se não tiver luz natural, para tudo se dá um jeito, é  o que prova Marcelo que divide o quarto com o irmão que, por causa do trabalho, acaba dormindo até mais tarde, perdendo a luz da manhã que entra com força pela janela e ajuda na sobrevivência das plantinhas. Por isso, Marcelo investiu numa iluminação artificial que garante a fotossíntese. “É uma luz de LED específica, chama-se grow light”.

Saber organizar e harmonizar as coisas tornou a reforma mais fácil, já que Marcelo resolveu abandonar o mobiliário tradicional. A parede com formas orgânicas, que são tendência em vários âmbitos do design de interiores, as formas arredondas tanto em pintura, móveis e arquitetura, trouxeram ao ambiente cores diferentes e uma decoração nada convencional.

O closet, por exemplo, tem um cabideiro feito de cabo de aço e tronco de árvore. Os paletes viraram um grande tablado que abriga a cama e uma mesinha lateral. A decoração segue composta com muita personalidade a partir de suas viagens e suvenires comprados a cada roteiro. Como consequência, a decoração traz uma mistura de afetividade com clima tropical para dentro de casa.

Cantinho de descanso é refúgio de Marcelo. (Foto: Marcos Maluf)
Cantinho de descanso é refúgio de Marcelo. (Foto: Marcos Maluf)

O investimento não chegou a R$ 1 mil, conta. O mais caro foi o guarda-roupa que chegou a custar R$ 700,00. Já a cama custou R$ 120,00 e a pintura na parede não passou dos R$ 30,00.

“Confesso que foi a segunda vez que mudei o meu quarto. A primeira foi há muito tempo e eu não tinha tanta visão quanto hoje, mas sempre tive essa curiosidade e vontade de realmente tornar o quarto um ambiente gostoso de estar e ao mesmo tempo fotogênico. O mais bacana é poder criar conforme o bolso deixa”.

O desafio maior é superar o cansaço, mas Marcelo ensina que deixar os sonhos para depois não vai tornar qualquer ambiente da casa confortável, por isso, mais vale vencer a preguiça do que a mania de deixar tudo para amanhã. “Fazer tudo sozinho não é fácil. Lógico que contei com a ajuda do meu pai em algumas coisas, mas a grande parte fiz sozinho. A grande lição é poder lidar com os desafios que toda mudança tem, e poder vencê-los e aprender com eles. Transformar a casa com pouco é também se redescobrir em suas habilidades, gostos e desejos antigos”.

Tem algum projeto de arquitetura interessante ou fez aquela mudança em casa que merece ser compartilhada? Mande para o Lado B no Facebook ou Instagram. Você também pode sugerir pautas pelo e-mail: ladob@news.com.br ou WhatsApp do Campo Grande News (67) 99669-9563.

Quarto ganhou plantas, nuvens e personalidade através da criatividade. (Foto: Marcos Maluf)
Quarto ganhou plantas, nuvens e personalidade através da criatividade. (Foto: Marcos Maluf)