ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
FEVEREIRO, SÁBADO  24    CAMPO GRANDE 24º

Arquitetura

Por que bairro que alaga tem casas valendo mais de R$ 1 milhão?

Anúncios de venda para casas térreas chegam a R$ 1.390.000 em divulgação no Infoimóveis

Por Aletheya Alves | 07/12/2023 07:26
Um dos imóveis mais bem avaliados no Jardim Itatiaia, por R$ 1,3 milhão. (Foto: Reprodução/Infoimóveis)
Um dos imóveis mais bem avaliados no Jardim Itatiaia, por R$ 1,3 milhão. (Foto: Reprodução/Infoimóveis)

Em plataformas de compra e venda de imóveis, o Jardim Itatiaia se une a bairros de padrão mais alto com casas avaliadas em mais de R$ 1 milhão, apesar de sofrer com problemas como alagamento de algumas vias e ruas paralelas sem asfalto. Para entender o motivo dos valores, mesmo com as complicações geradas, o Lado B te explica sobre o que faz um imóvel conseguir ser valorizado.

Tomando a região da Lagoa Itatiaia como exemplo por ter sido notícia na última terça-feira (5) devido ao alagamento, a vice-presidente do Creci-MS (Conselho Regional de Corretores de Imóveis), Simone Leal explica que vários fatores são aplicados no momento da avaliação.

Em geral, toda a região é analisada em conjunto ao empreendimento, por isso mesmo ruas que não são afetadas diretamente por problemas, como o alagamento, podem receber as consequências no momento da valorização ou perda dela. A lógica também funciona pelo lado positivo, já que benefícios são aplicados da mesma forma em relação à proximidade.

Rua alagada durante período de chuva na última terça-feira (5), no Jardim Itatiaia. (Foto: Juliano Almeida)
Rua alagada durante período de chuva na última terça-feira (5), no Jardim Itatiaia. (Foto: Juliano Almeida)

Entre os pontos a serem pensados pelo corretor no momento de gerar o valor estão critérios objetivos e subjetivos, como a corretora defende.

“É avaliado o preço do metro quadrado do terreno, infraestrutura que o bairro oferece como esgoto, asfalto, rede de transporte urbano, energia elétrica, valorização em volta do empreendimento como farmácias e supermercados. Enfim, o que o bairro oferece para que você consiga agregar esses valores na hora de vender a unidade”, introduz Simone.

Além disso, também é preciso observar os materiais de construção que foram utilizados no empreendimento.

Imóveis avalaidos em mais de R$ 1 milhão em anúncios do Infoimóveis. (Foto: Reprodução/Infoimóveis)
Imóveis avalaidos em mais de R$ 1 milhão em anúncios do Infoimóveis. (Foto: Reprodução/Infoimóveis)

Na prática, a corretora detalha que falar do Jardim Itatiaia significa observar quais são os fatores atuais que se encaixam para valorizar a região. “Nós falamos da lagoa como uma opção para passeio, temos supermercados bons, redes de farmácia, há todo um comércio em volta para que você não tenha que se deslocar e isso agrega na hora de escolher os critérios”.

Outro ponto citado por ela é em relação ao acesso ao bairro, “ali, você não tinha tantas avenidas, mas foram abertas como o 'mini-anel-menor' e houve uma valorização em conjunto à presença de mercado atacadista e outros empreendimentos”, diz.

Por não se tratar de fatores fixos, Leal comenta que a avaliação também precisa considerar outras construções que estão próximas. Ela argumenta que em casos de bairros antigos pode haver um processo de reconstrução para que a região seja mais valorizada.

Casa também anunciada por R$ 1.390,000,00 na Rua Ayd Saravy de Souza. (Foto: Reprodução/Imóveis)
Casa também anunciada por R$ 1.390,000,00 na Rua Ayd Saravy de Souza. (Foto: Reprodução/Imóveis)

“Se você tem um bairro que seja antigo e possua casas mais humildes, considerando que há casas melhores, esses terrenos vão valorizar. A pessoa vende o imóvel, faz-se a demolição das casas mais humildes e as construções vão melhorando o padrão. Com a melhoria, o impacto é até em imóveis das quadras próximas”.

E, especificamente sobre a questão do Jardim Itatiaia, a corretora explica que até bairros com melhor infraestrutura estão sofrendo devido ao fluxo de água. “Então, não é algo em decorrência do bairro em si”.

Para completar, Simone também pontua que algo a se destacar é a lógica da oferta e procura. “Se você tem uma oferta muito grande e procura baixa, vai ter uma redução do preço porque as pessoas não estão querendo mais o bairro e o inverso também funciona”, diz.

Acompanhe o Lado B no Instagram @ladobcgoficial, Facebook e Twitter. Tem pauta para sugerir? Mande nas redes sociais ou no Direto das Ruas através do WhatsApp (67) 99669-9563 (chame aqui).

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News.

Siga o Lado B no WhatsApp, um canal para quebrar a rotina do jornalismo de MS! Clique aqui para acessar o canal do Lado B.

Nos siga no Google Notícias