ACOMPANHE-NOS    
JANEIRO, QUARTA  20    CAMPO GRANDE 25º

Artes

Da foto que fez do tio, Gui descobriu sensibilidade ao clicar detalhes

Fotografia do tio fez Guilherme "matar" a saudade do avô; de câmera na mão, percorre a Cidade Branca com o olhar pra lá de aguçado

Por Raul Delvizio | 05/12/2020 07:51
Tio Doca é o pivô de toda essa história "fotográfica" de Gui (Foto: Guilherme Delmondes)
Tio Doca é o pivô de toda essa história "fotográfica" de Gui (Foto: Guilherme Delmondes)

Renato era o nome do avô materno de Guilherme que faleceu no comecinho de 2018. Até então, o neto nunca mais tinha frequentado o sítio da família onde tanto costumava ir quando criança. Para matar a saudade e rememorar a infância, Gui resolveu dar um pulinho no "rústico" junto a companhia de uma prima. Foi naquele mesmo dia em que clicou – na informalidade da câmera de seu celular – o tio avô Salvador, mais conhecido como tio Doca.

O registro fez o jovem rapaz relembrar muita coisa, trouxe de volta sentimentos até então esquecidos e, principalmente, o fez pensar no avô Renato. Foi pela imagem de Doca, "revelada" com atenção por Guilherme, que a nostalgia falou mais alto.

Aqui, uma homenagem ao avô paterno que faleceu no começou do ano por conta da covid-19 (Foto: Guilherme Delmondes)
Aqui, uma homenagem ao avô paterno que faleceu no começou do ano por conta da covid-19 (Foto: Guilherme Delmondes)

"Fazia anos e anos que eu não visitava o sítio nem via tio Doca. Me impressionou demais sua figura, e imediatamente meu pensamento foi parar no meu avô. Eu vi ali os mesmos trejeitos, o mesmo modo de falar, o jeito engraçado de ser e agir, de contar histórias e muita piada", afirmou Guilherme Delmondes.

Realmente foi pura nostalgia. Maior felicidade trazer a lembrança do meu querido avô pelo tio Doca. Guardo aquela fotografia com carinho especial".

Ainda não havia tomado conhecimento, mas foi naquele mesmo dia que surgiu dentro de si o espírito de fotógrafo. Quando se mudou para Corumbá no início desde ano, ele pode "brincar" com seu olhar aguçado em busca dos detalhes nas ruas da Cidade Branca, com uma câmera em mãos sempre que possível.

Detalhe das inscrições na ponte de trem (Foto: Guilherme Delmondes)
Detalhe das inscrições na ponte de trem (Foto: Guilherme Delmondes)
Fusquinha azul da Cidade Branca (Foto: Guilherme Delmondes)
Fusquinha azul da Cidade Branca (Foto: Guilherme Delmondes)
Mural de artista registrado por Gui (Foto: Guilherme Delmondes)
Mural de artista registrado por Gui (Foto: Guilherme Delmondes)

"Eu sempre me interessei por fotografia, mas nunca tinha tomado a iniciativa de estudá-la. Só foi quando me mudei para o berço do Pantanal que senti essa necessidade de explorar a região pela lente de uma câmera, descobrindo detalhes que até então nunca tinha parado para ver. Assisti vídeos no YouTube e comprei um equipamento só pra mim", esclarece.

Apaixonado pelo Pantanal desde pequeno, o campo-grandense começou a sentir a "mágica" do lugar assim que pisou os pés. Clicando animais, natureza, detalhes arquitetônicos, povo local e até particularidades que só quem está atrás de uma câmera enxergaria, pratica a fotografia analógica ao mesmo tempo que exercita sua sensibilidade de garoto.

Até a seca "devastadora" serviu de inspiração (Foto: Guilherme Delmondes)
Até a seca "devastadora" serviu de inspiração (Foto: Guilherme Delmondes)
Jacaré curte o banho de rio (Foto: Guilherme Delmondes)
Jacaré curte o banho de rio (Foto: Guilherme Delmondes)

"Quando vou para Campo Grande, a câmera também sempre está ao meu lado. É uma cidade diferente, com outras belezas e características. É um hobby que estimula completamente a criatividade", considera.

Formado em Direito, Guilherme conseguiu em Corumbá uma oportunidade de trabalho no mundo jurídico, por isso foi parar de "mala e cuia" na Cidade Branca. Por mais que sua profissão carregue um aspecto formal e até mesmo burocrático, entende que tanto como advogado quanto fotógrafo ter sensibilidade é sempre uma necessidade.

"A fotografia traz uma sensibilidade diferente, uma 'licença poética' que muitas vezes não tenho na minha atuação profissional. Porém, acredito que estar atento aos detalhes é uma condição de ambas as atividades", julga.

Autorretrato (Foto: Arquivo Pessoal)
Autorretrato (Foto: Arquivo Pessoal)
Opala vermelho (Foto: Guilherme Delmondes)
Opala vermelho (Foto: Guilherme Delmondes)
Detalhe de carro antigo (Foto: Guilherme Delmondes)
Detalhe de carro antigo (Foto: Guilherme Delmondes)
"Corumbá / MS" (Foto: Guilherme Delmondes)
"Corumbá / MS" (Foto: Guilherme Delmondes)

Eu amo minha profissão, mas também amo ser um fotógrafo de 'fim de semana'".

"Descobri que elas se complementam de uma forma orgânica. É verdade que a fotografia me permite conhecer lugares e identificar coisas que antes não perceberia, mas o Direito também me incentiva a refletir e quem sabe dar um novo rumo às questões sociais tão específicas da área".

Para conferir mais clique de Guilherme, basta acessar o seu perfil no Instagram @delmondes06.

Curta o Lado B no Facebook e no Instagram. Tem uma pauta bacana para sugerir? Mande pelas redes sociais, e-mail: ladob@news.com.br ou no Direto das Ruas através do WhatsApp do Campo Grande News (67) 99669-9563.

Boliviana ri em conversa no telefone junto aos filhos pequenos (Foto: Guilherme Delmondes)
Boliviana ri em conversa no telefone junto aos filhos pequenos (Foto: Guilherme Delmondes)
Jacaré "à espreita" (Foto: Guilherme Delmondes)
Jacaré "à espreita" (Foto: Guilherme Delmondes)
Para esta Ariranha, era hora do almoço (Foto: Guilherme Delmondes)
Para esta Ariranha, era hora do almoço (Foto: Guilherme Delmondes)
"Carinho" é o nome que o jovem fotógrafo deu para o clique dessas estátuas (Foto: Guilherme Delmondes)
"Carinho" é o nome que o jovem fotógrafo deu para o clique dessas estátuas (Foto: Guilherme Delmondes)
Teiú verde oliva (Foto: Guilherme Delmondes)
Teiú verde oliva (Foto: Guilherme Delmondes)
Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário