ACOMPANHE-NOS    
OUTUBRO, TERÇA  26    CAMPO GRANDE 21º

Comportamento

Amor fez filha oficializar padrasto como pai de surpresa em sobrenome

Pela lei, Oton e Nicole agora são pai e filha; bem antes disso, porém, já dividiam o amor no coração

Por Raul Delvizio | 16/04/2021 07:09
Nicole é a jovem de 16 anos que optou por colocar o sobrenome do seu padrasto (Foto: Kísie Ainoã)
Nicole é a jovem de 16 anos que optou por colocar o sobrenome do seu padrasto (Foto: Kísie Ainoã)

O finalzinho da tarde de quinta-feira (15) que trouxe chuva em alguns pontos da Capital também "lavou" o coração de Oton Nasser, advogado de 54 anos, em uma surpresa que ele jamais esperaria. A jovem Nicole, filha de 16 anos da sua atual esposa, oficializou o sobrenome do padrasto enquanto o seu próprio, algo que já há tempos ela sentia em seu coração.

No dia de ontem, pôde finalmente realizar esse desejo. Pelas vias legais, pregou uma peça a Oton com a ajuda da mãe, tia e até da advogada e parceira de trabalho do seu "novo" pai, que juntas conseguiram enganá-lo a comparecer ao 9º Cartório de Notas e Registros. Mas, para Nicole, independente da burocracia jurídica, seu coração estava mais do que passado a limpo. E o do pai também.

Registro da família Nasser; "aquela que o coração escolheu ter", diz a adolescente (Foto: Kísie Ainoã)
Registro da família Nasser; "aquela que o coração escolheu ter", diz a adolescente (Foto: Kísie Ainoã)

"Estou muito emocionado. Nossa interação é muito grande, de pai e filha mesmo. Até entre os irmãos já acontecia de forma natural, tantos os meus quanto os da Luciana (esposa). Então, só tenho a agradecê-la. Foi um presente de Deus que até a chuva caiu para sacramentar", diz Oton sobre a chuva inesperada e rápida que caiu no bairro do Amambaí, onde os familiares se encontravam.

"Quis oficializar não somente o que já estava no meu coração, mas também no papel. Afetivamente, já faz muito tempo que ele é um 'paizão'. Não tive nenhuma dificuldade ou resistência para tomar essa decisão – que inclusive não é de agora, mas já vem de longa data. Agora, somos pai e filha também no papel", comemora a jovem.

Momento descontraído entre a filha e seu "novo" pai após a legalização do sobrenome (Foto: Kísie Ainoã)
Momento descontraído entre a filha e seu "novo" pai após a legalização do sobrenome (Foto: Kísie Ainoã)

Antes de Oton chegar em sua vida, Nicole havia perdido o pai aos 6 anos de idade. "Me lembro de tudo dele. Foi bem difícil porque éramos muito próximos", conta. Entretanto, como a própria vida se encarrega das coisas, acabou que a menina até serviu de "cupido" para que sua mãe Luciana firmasse um relacionamento com o atual marido e, assim, selassem matrimônio.

"Passei 10 meses de luto pela morte do Marcos. Não só por mim, mas pelos meus filhos também, que perderam o pai. Além da Nicole, fiquei com meu menino Gustavo de 2 aninhos para cuidar. Mas, passado a fase da tristeza, acabei trocando a solidão pelo relacionamento maduro que tenho com Oton. Estávamos ambos procurando algo sério e verdadeiro, afinal eu já tinha meus filhos e ele os deles", explica a mãe Luciana Nasser.

Após a fase de luto da morte do marido, Luciana diz que encontrou em Oton um relacionamento maduro (Foto: Kísie Ainoã)
Após a fase de luto da morte do marido, Luciana diz que encontrou em Oton um relacionamento maduro (Foto: Kísie Ainoã)

Nicole não nega: "dei uma forcinha para que eles dois se casassem logo. Claro que no início, quando Oton veio parar em nossas vidas, houve uma estranheza, nada do que o natural. Depois, pude encontrar nele uma nova figura paterna", diz.

A adolescente fez questão de permanecer com o sobrenome anterior do seu falecido pai e apenas adicionar o Nasser ao seu nome. "Assim, não somente continuo sendo filha do Marcos, mas também faço uma homenagem ao Oton, aquilo que já estava marcado no meu coração. Sinto orgulho de ter a assinatura de dois pais porque eles foram duplamente importantes na construção da pessoa que sou hoje", confirma.

O processo aconteceu da forma mais natural possível, conta a filha. Ambos conquistaram a confiança um do outro no decorrer dos anos e, para a jovem, foi necessário respeitar o tempo para que se sentisse segura o suficiente para tomar a decisão de incluir o novo nome. "Ninguém me obrigou a estar aqui. Inclusive, se eu tivesse sido de fato obrigada, muito possivelmente não estaria com o coração pleno, tranquilo, muito menos teria surpresa alguma a ele", assegura.

Agora, Oton e Nicole dividem "oficialmente" o amor de pai e filha que sentem um pelo outro (Foto: Kísie Ainoã)
Agora, Oton e Nicole dividem "oficialmente" o amor de pai e filha que sentem um pelo outro (Foto: Kísie Ainoã)
Emocionado, Oton garante que a quinta-feira vai ser um dia que jamais vai se esquecer (Foto: Kísie Ainoã)
Emocionado, Oton garante que a quinta-feira vai ser um dia que jamais vai se esquecer (Foto: Kísie Ainoã)

Com a engabelação de uma "historinha" de que o carro da tia tinha enguiçado, Oton foi recebido pela família com balões e aplausos após a filha explicar o que estava realmente acontecendo – momento de pura emoção.

"Geralmente, sou eu quem corro atrás de tudo isso, da papelada. Mas quando cheguei no cartório, já estava tudo pronto! Um dia que vai ser difícil de ser esquecido… Ela já era a filha que tanto amo. O amor que nos uniu tem uma força incomensurável", ressalta o advogado, que além dos seus outros 4 filhos, recebeu Nicole como a 5ª e, muito em breve, o seu irmão Gustavo também será o mais novo Nasser.

"Família é quem a gente escolhe que ela seja. É quem nos ama e sempre quer estar junto. Eu sei bem o que é isso, não tem sentimento mais verdadeiro", finaliza a filha.

Curta o Lado B no Facebook e no Instagram. Tem uma pauta bacana para sugerir? Mande pelas redes sociais, e-mail: ladob@news.com.br ou no Direto das Ruas através do WhatsApp do Campo Grande News (67) 99669-9563.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário