ACOMPANHE-NOS    
JUNHO, DOMINGO  26    CAMPO GRANDE 26º

Comportamento

Após ser paralisada por tumor, Mara fez da casa de madeira um recomeço

Aposentada passou por cirurgia na região da coluna e 1 ano depois, começou a reformar casa

Por Aletheya Alves | 10/05/2022 06:20
Jucimara Fabrício Amorim transformou casa em projeto pessoal após recuperação. (Foto: Kísie Ainoã)
Jucimara Fabrício Amorim transformou casa em projeto pessoal após recuperação. (Foto: Kísie Ainoã)

Há 5 anos, a aposentada Jucimara Fabrício Amorim se viu passando por uma cirurgia arriscada após ter seu corpo paralisado temporariamente por um tumor na região da coluna cervical e esperar por sequelas definitivas. Contrariando as expectativas médicas, Mara se recuperou totalmente e, em um ano, saiu da residência da irmã e transformou uma casinha de madeira no Bairro Vilas Boas em seu recomeço.

Com um quintal cheio de flores e muita vida, a casa de madeira se parece com uma “casa de vó em chacarazinha”, como a moradora resume. Acompanhada por cadeiras de fio e cores que reforçam a imagem, o ambiente se tornou um espaço de acolhimento tanto para Jucimara quanto para quem vê os detalhes.

Espaço da residência tem quintal amplo e muitas flores. (Foto: Kísie Ainoã)
Espaço da residência tem quintal amplo e muitas flores. (Foto: Kísie Ainoã)

Mesmo sendo alugada, a residência é vista pela moradora como seu projeto pessoal desde que começou a reaprender a viver. De acordo com Mara, após descobrir o tumor, foram cerca de dois meses com seu corpo paralisado.

Era como se fosse um nódulo na coluna que foi me travando inteira. Eu só falava, não me mexia. Entrei na cirurgia às 8h e saí às 16h30min com o médico dizendo que provavelmente eu não conseguiria voltar a andar ou falar, teria sequelas graves", diz.

Devido às baixas expectativas, a aposentada havia se mudado para a casa da irmã e lá estava sendo cuidada pela família. “Foi muito difícil, porque eu nunca imaginei que ficaria tão dependente, precisando que me dessem banho. Eu imaginava que eu teria de cuidar da minha mãe e não que seria o contrário”, relembra.

A surpresa veio após a cirurgia, durante o período de readaptação e fisioterapia. Conforme Mara narra, em apenas três meses ela conseguiu se recuperar e reaprender desde a equilibrar seu corpo até respirar.

“Em três meses, eu estava dirigindo meu carro. Foi mais ou menos em um ano que decidimos que, como eu estava bem, poderia pegar meu rumo e ir atrás da minha vida”, conta.

Nossa Senhora em gruta é um dos detalhes que compõem o lar de Mara. (Foto: Kísie Ainoã)
Nossa Senhora em gruta é um dos detalhes que compõem o lar de Mara. (Foto: Kísie Ainoã)

E, procurando por um novo lar para dar início à vida, ela encontrou o endereço no Bairro Vilas Boas. “A casa estava bem acabadinha, tanto que quando a gente vim para cá, todo mundo falou que eu estava louca. Mas eu gostei do estilo da casa por ser de madeira, do quintal e de ter um espaço grande”, diz.

Já com a casa alugada, ela deu início às transformações e conta que seu objetivo era deixar cada cantinho confortável para que ela tivesse vontade de viver por ali. “Deu um trabalho para reformar, mas tive ajuda do meu irmão. Nós íamos ajustando nos fins de semana, arrumando uma coisa de cada vez”.

Flores variadas foram alocadas em todos os espaços de decoração. (Foto: Kísie Ainoã)
Flores variadas foram alocadas em todos os espaços de decoração. (Foto: Kísie Ainoã)

As paredes ganharam tinta nova, o quintal recebeu flores plantadas no chão e em vasos e detalhes de decoração foram inseridos para levar o ar de aconchego. Apaixonada pelo local, a aposentada conta que até já pensou em comprar a casa, mas até agora, não conseguiu convencer o proprietário.

Mas sem se preocupar, ela narra que caso precise se mudar mais uma vez, o novo endereço deve seguir a mesma tendência: ser transformado em um lar.

Versão de cerca de madeira é utilizada como suporte para vasos. (Foto: Kísie Ainoã)
Versão de cerca de madeira é utilizada como suporte para vasos. (Foto: Kísie Ainoã)

Acompanhe o Lado B no Instagram @ladobcgoficial, Facebook e Twitter. Tem pauta para sugerir? Mande nas redes sociais ou no Direto das Ruas através do WhatsApp (67) 99669-9563 (chame aqui).

Nos siga no Google Notícias