A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 15 de Agosto de 2018

01/03/2018 07:35

Doce e cerveja desbancam carne e lideram ranking em penitências da Quaresma

Tem gente que vai ficar sem arroz e até encarar abstinência de compras. E você, abriu mão de alguma coisa que gosta muito?

Thailla Torres
Stefani vem cumprindo a promessa de ficar sem doce por 40 dias. (Foto: André Bittar)Stefani vem cumprindo a promessa de ficar sem doce por 40 dias. (Foto: André Bittar)

As tentações são muitas e os pedidos também, mas na esperança de ser atendido em alguma prece, muitos católicos deixam para trás as vontades pela fé, mas também esquecem da tradição. Eles acreditam que durante a Quaresma,  período de quarenta dias que antecede a celebração da Páscoa, é preciso fazer penitência para alcançar muito mais bençãos na vida.

O jejum de carne vermelha é a atitude pregada, mas atualmente, quando o assunto é saúde, o consumo de carne não está mais entre as prioridades dos fiéis. Eles deixam de comer aquilo que mais adoram, como os doces e abrem mão de alguns rituais "sagrados", como beber aquela cervejinha com os amigos.

Graça Ramos já ficou sem comer arroz por 3 meses.
(Foto: André Bittar)Graça Ramos já ficou sem comer arroz por 3 meses. (Foto: André Bittar)

E com tanta novidade no mercado, fica difícil dar um passo sem ver um doce pela frente. Por isso, a fé tem que falar mais alto. Assim, a atendente Stefani Torres, de 21 anos, consegue resistir ao doce, diariamente. "Prometi ficar sem doce durante 40 dias porque é o que eu mais gosto. Já a carne acho mais fácil o jejum. O doce eu comia todos os dias", conta. A mudança de hábito virou uma luta diária. "Não é fácil, pra vencer a vontade, é muita oração e uma xícara de café no lugar", conta.

Acostumada a ir nà novena toda quarta-feira, a professora Eva Vieira de Jesus, de 55 anos, abriu mão dos doces pela saúde. "Toda quarta e sexta-feira eu não como carne, fico o período todo fazendo orações, mas dessa vez eu tive que abrir mão do doce por uma causa maior".

Eva teve câncer de mama e passou um tempo sem conseguir comer o que gosta. "Me fazia mal sempre que comia doce, mas eu adoro comer. Só que a idade vai chegando e a gente precisa se preocupar com outras questões da saúde, como pressão e diabetes. Então eu pedi pela minha saúde e resolvi fazer jejum durante 40 dias. A esperança comer de um jeito moderado depois de voltar".

Eva também abriu mão do doce. (Foto: Saul Schramm)Eva também abriu mão do doce. (Foto: Saul Schramm)

Este ano, para que tudo desse certo, o advogado Renato, de 27 anos, resolveu ficar os 40 dias sem doce. Ele preferiu não ser fotografado ao assumir que acabou descumprindo a penitência. "Acabei comendo um docinho, confesso. Mas eu continuo tentando, até o fim da Quaresma". 

Ele conta que doce e bebida são as principais penitências entre os amigos. "É o que todo mundo tem feito porque é o mais difícil. O consumo de bebida só aumenta e o açúcar também".

Acostumada a tomar uma cervejinha no fim de semana com a família, a dona de casa Regiane dos Santos, de 55 anos, abriu mão da bebida. "Tem que ser o que a gente mais gosta e eu adoro uma cerveja", justifica. Ela crê que vai conseguir, porque deseja alcançar uma graça. "Além de ficar sem beber, eu todos os dias agradeço e faço minhas orações, pela saúde e felicidade de todos".

Ao contrário do doce, Graça Gramos, de 63 anos, elegeu o arroz como sacrifício do ano. "Eu adoro arroz, são 40 dias em pedido pela saúde dos olhos do meu filho. Mas é um desafio, pra quem gosta, ficar sem comer não é fácil".

Aline deixou de comprar roupas. Aline deixou de comprar roupas.

Mas nem todos os católicos optam pelo jejum de comida na Quaresma. Vale não só o que é sacrifício, mas aquilo que vai trazer algum benefício próprio até para o bolso.

A enfermeira Aline de Matos, de 27 anos, já está há dias sem comprar uma peça de roupa. "Não posso comprar nada, nem um brinco. Foi o jeito que eu arranjei de superar o consumismo". Ela afirma que além de pedir por um ano melhor, acredita que a penitência vai mudar a rotina no resto do ano. "Quero comprar cada vez menos. Às vezes a gente compra o que não precisa e só vai acumulando coisa dentro de casa".

Segundo o padre Jeshudas Fernado, a proposta da igreja em relação à Quaresma não mudou, continua com uma "penitência" que possa ajudar a transformação de cada um. "A igreja orienta seus fiéis para afastar tudo que faz mal ao seu próximo. Cabe cada um decidir como contribuir para termos uma sociedade mais segura e saudável. Isso é bem mais importante do que afastar de comer carne vermelha".

Este ano, a igreja tem como Campanha da Fraternidade o tema violência, e o jejum é colocado como uma das ações por um mundo mais tranquilo. "Para termos uma sociedade mais segura e saudável, abster somente de carne vermelha é muito pouco ou quase nada. Por isso o Santo Padre Papa Francisco sugere várias maneiras de nós iniciar um jejum de muitas coisas durante essa Quaresma e continuar até que nos conseguimos purificar nossa sociedade, o nosso querido país. Quaresma é um tempo forte para conversão", finaliza.

Curta o Lado B no Facebook e Instagram.

 

Eles acreditam que durante a Quaresma é preciso fazer penitência para alcançar muito mais bençãos na vida. (Foto: André Bittar)Eles acreditam que durante a Quaresma é preciso fazer penitência para alcançar muito mais bençãos na vida. (Foto: André Bittar)


imagem transparente

Classificados


Copyright © 2018 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.