A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 25 de Setembro de 2018

19/04/2018 07:41

Em tempos violentos, curso ensina como “só por hoje" não se envolver em tretas

No Facebook, evento teve 98 interessados, 29 inscritos, mas deles apenas dois compareceram

Guilherme Henri
Eduardo Ramos e membros do Grupo Casa durante curso (Foto: Guilherme Henri)Eduardo Ramos e membros do Grupo Casa durante curso (Foto: Guilherme Henri)

Uma coisa é certa, a combinação de determinados assuntos com a maneira de dizê-los poderia despertar a ira da mais pacífica pessoa, em tempos onde política e a intolerância estão em evidência. Rede sociais viraram palanque e até grupo de pais de escola é pretexto para “conversas atravessadas” que testam limites.

Em busca de melhorar o diálogo e a relação entre as pessoas, o Grupo Casa, organizou o curso “Comunicação Não-Violenta” em Campo Grande. No Facebook, o evento teve 98 interessados, 29 inscritos, mas até 40 minutos de seu começo apenas duas pessoas, além dos membros da casa, compareceram

Porém, mesmo com quase nenhum interessado, a temática não perdeu o peso. .

O debate foi mediado pelo ator e arte educador Eduardo Ramos, que mora o Rio de Janeiro, onde desde início do ano é facilitador de debates de comunicação não-violenta. Ele se embasou na obra do psicólogo norte-americano Marshall Rosenberg, que aplicou o modelo em realidades de países em guerra civil no Oriente Médio, Ruanda, Nigéria, Burundi, entre outros.

Eduardo Ramos é mediador da temática no Rio de Janeiro (Foto: Guilherme Henri)Eduardo Ramos é mediador da temática no Rio de Janeiro (Foto: Guilherme Henri)

Mas descoberta do assunto veio sentindo os impactos das brigas na pele, depois dele próprio admitir que também precisava de ajuda. “Num processo difícil de separação, onde até filho era envolvido como manobra de ataque, senti que precisava melhorar. Foi quando conheci a temática, por meio de uma advogada especialista”, conta.

De lá para cá, Eduardo aprimorou os conhecimentos, trazendo o tema para a nossa realidade, promovendo encontros como o do Grupo Casa.

Mas, a pergunta é: O que fazer quando se é ou se conhece o estressado crônico nos diálogos? Surpreendentemente a resposta é extremante simples e está presente em tratamentos de alcoólicos e dependentes químicos. Colocar um desafio a curto prazo: “Só por hoje não vou me envolver em ‘tretas’”.

Afinal, segundo Eduardo, a maioria sabe onde irá encontrar a comunicação violenta, então porque procurá-la? Claro que não é tão simples colocar em prática da mesma maneira como se fala, já que ninguém tem “sangue de barata". Porém, como qualquer vício, se praticado todos os dias, acaba dando certo, ele garante. 

Participante Fernanda Gomes de Araújo (Foto: Guilherme Henri)Participante Fernanda Gomes de Araújo (Foto: Guilherme Henri)

A equação rudimentar, mas pode ser bastante complexa para quem não está acostumado a ouvir. “A comunicação não-violenta trata-se de um processo contínuo de pesquisa e observação que favorece uma comunicação eficaz e com empatia. Distingue observações de juízos de valor; sentimentos de opiniões; necessidades de exigências”, resume Eduardo. Ou seja, vamos nos ouvir mais, respeitar opiniões e saber parar a conversa sem que haja “um ganhador”.

Quero melhorar – “Se no trabalho eu não grito com o cliente, então porque em casa eu o faço isso com meus filhos”, questiona a si mesma, a advogada e participante do curso, Fernanda Gomes de Araújo, 41 anos.

Em busca da resposta e de ter conversas mais assertivas com as pessoas, a advogada conta que é difícil colocar o curso em prática no dia a dia. Porém, pelo amadurecido das emoções, a sinceridade consigo mesma é o fator determinante para buscar esclarecimentos sobre o assunto. “Falta empatia entre as pessoas”, avalia sobre o poder de se colocar no lugar do outro.

Além dela, a dentista Michele Satorres conta que havia combinado com uma amiga de ir ao curso, mas levou o “balão” devido um compromisso de última hora. Contudo, ela fez questão de mesmo sozinha comparecer. “Hoje em dia está complicado. Tudo pode ser interpretado de diversas maneiras. Estou aqui para melhorar o diálogo com as pessoas”, comenta.

Roda de debate em curso de comunicação não-violenta (Foto: Guilherme Henri)Roda de debate em curso de comunicação não-violenta (Foto: Guilherme Henri)


imagem transparente

Classificados


Copyright © 2018 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.