ACOMPANHE-NOS    
AGOSTO, SEGUNDA  10    CAMPO GRANDE 20º

Comportamento

Em terminal, ônibus não sai lotado e medo caminha com passageiros

Lado B passou 1h30 em terminal de ônibus e não viu desrepeito à lotação, e sim medo das pessoas em pegar covid-19

Por Lucas Mamédio | 28/07/2020 07:05
Passageiros com lotação máxima na linha 080 (Foto: Paulo Francis)
Passageiros com lotação máxima na linha 080 (Foto: Paulo Francis)

Os raios de sol ainda nem cortaram o céu de Campo Grande, faltam 20 minutos para às 6h da manhã, e o Terminal Bandeirantes já está lotado. Apesar da quantidade de gente no local, paira certo silêncio no ar, as pessoas andam sem falar muito, sem gesticular, assim como permanecem na fila. De manhã, tudo é diferente.

O ônibus da linha 080 dirigido por Eduardo Pompeu chega pouco depois das 6h vindo do Terminal Aero Rancho. O coletivo já está relativamente cheio, podendo receber só mais alguns passageiros.

Passageiros na fila pra entrar no ônibus (Foto: Paulo Francis)
Passageiros na fila pra entrar no ônibus (Foto: Paulo Francis)

Aos que esperam na metade do final da fila, a certeza de que aquela ainda não é hora de embarcar. Um fiscal entra primeiro no ônibus, faz a contagem, permite que alguns da fila entrem e depois cessa o andamento.

Diogo diz que só pega ônibus porque precisa trabalhar (Foto: Paulo Francis)
Diogo diz que só pega ônibus porque precisa trabalhar (Foto: Paulo Francis)

Aquele ônibus já está com lotação máxima, de 30 passageiros sentados e sete em pé, como determina o decreto municipal que estabeleceu regras para atenuar o impacto do coronavírus.

Conversamos brevemente com o motorista, que disse não encontrar resistência da população em respeitar o decreto. “Eu tive problema uma vez só nesses meses com um rapaz que não poderia entrar porque já estava com ônibus lotado, mas que insistiu para subir. Mas logo fiz ele entender que não podia, que ele estava atrapalhando os outros usuários, e ele desistiu”, lembra Eduardo.

Todos no ônibus usavam máscara, muitos carregavam álcool em gel, mas nenhum passageiro carregava a confiança de que estavam seguros.

Diogo da Silva, de 21 anos, auxiliar de manutenção em uma empresa que arruma ar-condicionado, diz que só pega ônibus porque tem que trabalhar. “Eu, pessoalmente, não me sinto seguro, mas fazer o quê?”.

Lilia diz que tem visto alguns casos de desrespeito fora dos terminais (Foto: Paulo Francis)
Lilia diz que tem visto alguns casos de desrespeito fora dos terminais (Foto: Paulo Francis)

A prestadora de serviço no Banco do Brasil, Lilia Aparecida Soares, de 53 anos, além de não estar se sentindo segura, ainda tem testemunhado alguns casos de desrespeito às regras.

“Principalmente no Centro da cidade, eu vejo que as pessoas não estão ligando pra distanciamento. Isso deixa a gente com medo né”, afirma Lilia.

A doméstica Maria Paulino espera para entrar em um ônibus da linha 080. Ela diz que nunca pegou um ônibus lotado, mas depois refaz a resposta com outra pergunta. “Mas o que é lotado? Pra mim do jeito que está aí já está lotado. Eu mesmo vou porque minha patroa tá me esperando, precisa de mim e eu preciso do dinheiro, mas é um risco, com certeza”.

O distanciamento é mais eficaz fora do que dentro dos coletivos (Foto: Paulo Francis)
O distanciamento é mais eficaz fora do que dentro dos coletivos (Foto: Paulo Francis)

Outra doméstica, Valquíria Soares Ferreira, ia ao Centro fazer exame médico. “Eu trabalho perto de casa, não preciso pegar ônibus. Essa é a primeira vez que pego, na verdade, nesses últimos tempos. Tô meio assustada com a quantidade de pessoas”.

Em geral, em todas as linhas, por mais que houvesse longa fila de espera, era possível notar organização entre as pessoas. A equipe de reportagem ficou cerca de uma hora e meia no terminal e não flagrou nenhum ônibus com lotação acima do permitido pelo decreto, nem qualquer tentativa de desrespeitá-lo.

Para doméstica Maria, do jeito que está, já está lotado (Foto: Paulo Francis)
Para doméstica Maria, do jeito que está, já está lotado (Foto: Paulo Francis)

O que se percebeu, claramente, é que a letra fria das regras está, de certa forma, em dissonância com sentimento das pessoas. A regulamentação do uso dos ônibus, por mais compreensível que seja nesse momento, não traz o alento necessário para quem acorda cedinho pra trabalhar.

Curta o Lado B no Facebook e no Instagram. Tem uma pauta bacana para sugerir? Mande pelas redes sociais, e-mail: ladob@news.com.br ou no Direto das Ruas através do WhatsApp do Campo Grande News (67) 99669-9563.