ACOMPANHE-NOS    
SETEMBRO, SEGUNDA  27    CAMPO GRANDE 27º

Comportamento

Galeria mais tradicional do Centro de Campo Grande é reduto dos tatuadores

Por Anny Malagolini | 17/12/2013 06:49
Galeria fica entre a avenida Afonso Pena e a rua 14 de Julho (Foto: Marcos Ermínio)
Galeria fica entre a avenida Afonso Pena e a rua 14 de Julho (Foto: Marcos Ermínio)

Os três corredores que únem as galerias São José e Dona Neta são principal reduto dos tatuadores em Campo Grande. Há salões de beleza e lojas de varejo, mas o som que domina é o das agulhas. Por isso, os "tatuados" também são boa parte dos personagens que passam pelo espaço.

São oito estúdios e quase 20 profissionais espalhados pelas salas comerciais. Na maioria deles, as tatuagens custam a partir de R$ 80,00, para desenhos pequenos, como estrelas e corações, por exemplo.

Quem deu o ponta pé inicial foi o lojista Augusto Reimbach, de 53 anos, há mais de dez anos. Quando ele chegou, o local reunia os principais profissionais da época, como Arnaldo, Branco e Jhonny.

Agora Augusto tem dois estúdios, um ao lado do outro, no piso superior de uma loja de bijuterias e outra de artigos de rock, também propriedades dele.

A ideia foi criar um estúdio para que o filho trabalhasse. Deu mais do que certo. O filho, hoje o tatuador Lennon, abriu o próprio estúdio, virou vizinho do pai e se tornou um dos mais requisitados profissionais da cidade. “A preferencia é dele, mas os preços são mais altos”, diz Augusto.

Lennon lembra que ajudava o pai no estúdio paralelamente, já que fazia faculdade. Ele não se formou, e com o dinheiro que o pai dava para pagar a faculdade, ele começou a comprar o material para montar o próprio estúdio.

Dividir o lugar com tantos profissionais no mesmo ramo, para Lennon não significa concorrência. “Cada tatuador tem um estilo, e tem indicação, não são os mesmos clientes”. O problema, segundo ele, é a choradeira pelo desconto. “O cliente acha que tem que ter o mesmo preço. Vão de loja em loja atrás de um preço baixo”. Para ter um trabalho dele no corpo, o minimo cobrado é R$ 100 e valor vai até R$ 350,00 por sessão. 

No estúdio, Lennon é o único a tatuar, mas conta com a ajuda de um “aprendiz”. Ele ensina o ofício sem cobrar nada, e a pessoa o ajuda como assistente.

Augusto Reimback já está na galeria há mais de dez anos (Foto: Marcos Ermínio)
Augusto Reimback já está na galeria há mais de dez anos (Foto: Marcos Ermínio)
Tatuagens na  “Hard Work” custam a partir de R$ 80,00 (Foto: Marcos Ermínio)
Tatuagens na “Hard Work” custam a partir de R$ 80,00 (Foto: Marcos Ermínio)

O tatuador Hugo Guaracy, 32 anos, outro dono de estúdio na Galeria Dona Neta, “rodou” a cidade em busca de um ponto, e escolheu o lugar para abrir o “Hard Work”, ao lado dos amigos Thom Rech e do barbeiro Renan Reggiani, de 27 anos.

Ele explica que resolveu trabalhar na galeria há três anos, após perceber o grande número de clientes que Lennon dispensava. “Era muita gente que ele não tinha tempo de atender”, comenta.

A demanda do vizinho fez o concorrente vingar. “Ele atende com hora marcada, então os clientes de 'rua', como são chamados os que aparecem sem aviso, vão para o estúdio”, completa. Hoje, o local também funciona com agendamento.

Por ser um dos principais pontos de comércio de Campo Grande, já que a galeria fica entre a avenida Afonso Pena e a rua 14 de Julho, o aluguel não é barato, custa R$ 1 mil. Mas Hugo diz que compensa. “O local deu visibilidade ao trabalho, já é referência”.

Para baratear os custo, no piso superior funciona a barbearia do colega, um lugar também preparado para um público mais descolado, com corte a R$ 15,00.

Com o aumento de estúdios, o número de frequentadores também subiu e a “galera alternativa” se tornou frequente. Quem trabalha ali nota a diferença, mas não reclama “No começo até me assustei, mas são bem tranquilos”, comenta Francielly Vieira, de 19 anos, que trabalha em um salão do local.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário