A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 22 de Setembro de 2018

02/05/2018 06:05

Mesmo com dono sumido do lugar, “Bar do Lula” é parada obrigatória para selfie

Bar fica em Montese, distrito de Itaporã com pouco mais de 3 mil habitantes

Guilherme Henri
Estrutura de madeira pintada ganhou fachada e cadeiras vermelhas para combinar com nome do lugar (Foto: Arquivo Pessoal)Estrutura de madeira pintada ganhou fachada e cadeiras vermelhas para combinar com nome do lugar (Foto: Arquivo Pessoal)

Ao passar pela avenida Rui Barbosa, no Distrito de Montese, em Itaporã não há direita ou esquerda na hora da selfie em frente ao “Bar do Lula”. Em meio aos pouco mais de 3 mil habitantes, o lugar pitoresco é simples, de madeira. Ali se vende o que a fachada promete, mas também há de pão a ração de cachorro. A cor verde chega a aparecer um pouco na estrutura, porém o vermelho da fachada e das cadeiras chega forte para combinar com o apelido que deu nome ao bar.

Aquele Lula da fachada está ali há pelo menos seis anos. Ele é e sempre será apelido do saudoso Juraci Dias Ferreiras, 60 anos, que partiu há 3 meses devido a um derrame.

Juraci Dias Ferreiras, o Lula em sua última pescaria (Foto: Arquivo Pessoal)Juraci Dias Ferreiras, o "Lula" em sua última pescaria (Foto: Arquivo Pessoal)
Lula e uma de suas filhas em bar que hoje é tocado pela família (Foto: Arquivo Pessoal)Lula e uma de suas filhas em bar que hoje é tocado pela família (Foto: Arquivo Pessoal)

A filha, Juciane Alves Ferreira, 35 anos, revela que o apelido do pai surgiu pela semelhança com o ex-presidente. “Todo mundo chamava ele assim há uns 20 anos. Aí quando nos mudamos para cá, ele comprou o bar e não deu outra. O lugar foi batizado como Lula”, lembra.

Nesta época, o lugar era todo verde, mas a primeira coisa que Juraci fez foi colocar na fachada a cor do partido do qual também era simpatizante, o vermelho. “Era motivo de orgulho para ele. E assim como o ex-presidente, meu pai também era petista, herança que passou para toda a família. Se tivesse vivo ainda quando Lula foi preso, Ave Maria, o pai teria ficado triste demais”, diz.

A filha conta que a preferência política ou o nome do bar nunca foram empecilho aos negócios, pois o Lula do Mato Grosso do Sul já era considerado figura histórica do pequeno lugar, maior que qualquer entreveiro ideológico “Todo mundo adorava ele. Da direita ou da esquerda, aqui sempre foi parada obrigatória para a cervejinha”, afirma.

Lugar virou parada obrigatória para selfies de turistas (Foto: Dionedison Terena)Lugar virou parada obrigatória para selfies de turistas (Foto: Dionedison Terena)

Prova disso, foi o banco da praça que o povoado da cidade batizou escrevendo “Bar do Lula” depois que Juraci partiu.

O lugar ainda se tornou parada obrigatória para turistas, independente da tendência política. Por isso, a família diz que não há chances das portas se fecharem tão cedo.“Vamos tocar o bar, pois foi o que ele nos deixou com muito carinho”, afirma a filha, ao se referir ao trabalho que continua graças a mãe, dois irmãos e cinco netos que Lula deixou.

Curta o Lado B no Facebook  e no Instagram.

Lula era é tão querido por moradores do distrito, que foi homenageado em banco de praça (Foto: Arquivo Pessoal)Lula era é tão querido por moradores do distrito, que foi homenageado em banco de praça (Foto: Arquivo Pessoal)


imagem transparente

Classificados


Copyright © 2018 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.