ACOMPANHE-NOS    
JULHO, TERÇA  07    CAMPO GRANDE 19º

Comportamento

Na casa onde Lourival viveu, família se despede com velório reservado

Corpo de Lourival Bezerra de Sá, que faleceu aos 78 anos, ficou 5 meses no Imol proibido de ser enterrado, por diferenças entre corpo e identidade

Por Izabela Sanchez e Mirian Machado | 16/03/2019 09:55
Lourival Bezerra Sá, que morreu aos 78 anos em Campo Grande (Foto: Divulgação)
Lourival Bezerra Sá, que morreu aos 78 anos em Campo Grande (Foto: Divulgação)

Os cinco meses de impasse e espera em torno da figura de Lourival Bezerra de Sá, que faleceu aos 78 anos em Campo Grande, chegam ao fim. Neste sábado (16), família e vizinhos despedem-se do idoso, velado na casa onde viveu, no bairro Vila Popular. O corpo de Lourival ficou cinco meses no Imol (Instituto de Medicina e Odontologia Legal) por uma confusão com sua identidade.

Na manhã deste sábado, ainda assim, a “batalha” sobre a narrativa de quem foi, de fato, Lourival, ficou para trás. Um velório íntimo, com a presença de aproximadamente dez pessoas, entre familiares e vizinhos, ocorre na varanda da casa da família, com portão aberto, caixão fechado e cadeiras.

Lourival demorou a ser enterrado porque criou-se, após a sua morte, um debate ao redor de sua existência quanto ao seu gênero. Em outubro do ano passado, quando faleceu em decorrência de um infarto, descobriu-se que o idoso, que viveu por boa parte da vida com identidade masculina, tinha genitália feminina e escondia os seios com uma faixa.

A ausência do registro original de Lourival virou investigação policial que, durante meses, tentou, sem sucesso, descobrir o nome de registro do idoso e a origem do nome adotado. Em fevereiro, a delegada responsável pelo caso, Christiane Grossi, da 7ª Delegacia de Polícia de Campo Grande, disse que várias pessoas de todo o país ligaram pensando ter vínculo familiar com Lourival, mas que nenhum caso se confirmou.

É dessa forma, em paz, mas cercado de mistério, que Lourival vai, de fato, “descansar”. Na impossibilidade de ser enterrado por impedimento jurídico, o caso gerou revolta e repercussão nacional, especialmente nos meios que militam e debatem questões de gênero e sexualidade.

Lourival Bezerra Sá, cujo nascimento e nome de registro são desconhecidos (Foto: Divulgação)
Lourival Bezerra Sá, cujo nascimento e nome de registro são desconhecidos (Foto: Divulgação)

Em entrevista o Campo Grande News, o pesquisador e professor da UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul),Tiago Duque, comentou o assunto e defendeu que ainda que não se possa impor a denominação “transgênero” à existência de Lourival –que não vive para reivindica-la. Para ele, o idoso viveu como homem e é assim que deve ser identificado.

“Mostra como aquilo que tem sido registrado da história dos homens trans tem feito a gente pensar o quanto precisa ser estudado, compreendido. A diferença é que esse personagem não está vivo para assumir uma identidade trans, mas a identidade pública dele era de homem”, disse.

Pedido judicial - A Aliança Nacional LGBTI+ pediu ao Ministério Público do Estado o registro civil tardio de nascimento e gênero de Lourival. No MP, o pedido foi arquivado, mas o documento, enviado também à Defensoria Pública, impulsionou o pedido judicial que culminou no velório que ocorre neste sábado.

A entidade justificou o pedido ao dizer que a questão do gênero de Lourival já foi resolvida quando o plenário do STF (Supremo Tribunal Federal) julgou por unanimidade a desnecessidade da cirurgia de transgenitalização –cirurgia de mudança de sexo– para que seja necessário a alteração de registro.

A Defensoria ajuizou o pedido de sepultamento do corpo, representando a família de Lourival. O juiz Carlos Alberto Garcete de Almeida, da 1ª Vara do Tribunal do Júri, acatou o pedido e determinou o sepultamento. Além disso, a decisão afirma que sejam recolhidas as impressões digitais e o material genético de Lourival, feitas fotografias do corpo, e caso ainda não tenha, seja expedida o registro da certidão de óbito dele.

Depois do velório, o curioso caso chega de fato, ao fim. Lourival será enterrado no cemitério Monte das Oliveiras, em Campo Grande, onde seu corpo e sua identidade devem ficar a partir deste sábado.