ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
ABRIL, QUINTA  18    CAMPO GRANDE 24º

Comportamento

Point na cidade, 'postinho' fecha as portas após 37 anos de história

Famoso pelos encontro de amigos e bandas, posto no Parque dos Poderes amanheceu cercado por cavaletes

Por Jéssica Fernandes | 02/03/2024 07:22
Espaço onde aconteciam os encontros e apresentações musicais no posto. (Foto: Alex Machado)
Espaço onde aconteciam os encontros e apresentações musicais no posto. (Foto: Alex Machado)

O famoso ‘postinho’ do Parque dos Poderes encerrou as atividades após 37 anos de história. O posto, que deixou saudade em muita gente e virou ‘point’ de encontro de amigos e músicos, irá ceder espaço para outro empreendimento no próximo ano.

O posto de combustível ‘abriu as portas’ em 1987 na época em que a região do Parque dos Poderes não era tomada por imóveis residenciais e estabelecimentos. Na época, existia a expectativa que próximo na região fosse construída uma rodoviária, por isso, os proprietários investiram no empreendimento.

A rodoviária nunca foi construída, mas o posto seguiu firme no endereço que passou a ser valorizado ano após ano. Em 2000 começou o movimento que deixaria o ‘postinho’ famoso em toda a cidade pelos anos seguintes.

Posto de combustível foi cercado por cavaletes nesta semana. (Foto: Alex Machado)
Posto de combustível foi cercado por cavaletes nesta semana. (Foto: Alex Machado)

Nos finais de semana, o local recebia bandas de rock, blues e jazz. Aos poucos, o movimento no postinho foi crescendo e muita gente ‘batia ponto’ no local só para ouvir música e tomar cerveja. Motociclistas, ciclistas e outros grupos tinham o postinho como referência de lazer.

Há 10 anos, as apresentações musicais e os encontros divertidos chegaram ao fim no ambiente. Sem oferecer o lazer de sempre, o posto de combustível seguiu funcionando até quarta-feira (28) e quem passou pela Avenida do Poeta encontrou o lugar cercado por cavaletes no dia seguinte.

Esse é oficialmente o ‘fim de uma era’ para os frequentadores que têm boas lembranças do postinho. A jornalista Débora Louise Gardin Guglielmelli comenta que todo domingo encontrava as amigas motociclistas no local.

Segunda da direita para esquerda, Débora Louise com amigas motociclistas. (Foto: arquivo pessoal)
Segunda da direita para esquerda, Débora Louise com amigas motociclistas. (Foto: arquivo pessoal)
Outro registro da jornalista nos encontros com os amigos que era 'sagrado'. (Foto: Arquivo pessoal)
Outro registro da jornalista nos encontros com os amigos que era 'sagrado'. (Foto: Arquivo pessoal)

Além disso, ela também aproveitava para estender a noite depois dos shows do ‘MS Canta Brasil’. “O ‘Postinho’ e a Vânia (proprietária) vão deixar saudades. Aliás, já estamos sentindo essa falta. Todo domingo era sagrado passar lá. Fiz amizades, dei muita risada, tomei muita água de coco e cerveja estupidamente gelada. Ainda ouvi muita música boa depois dos shows de domingo”, recorda.

Por anos,  Sandra Mello teve o postinho como lugar de referência para encontrar os amigos. Seja no começo ou final de bate volta, o lugar era parada obrigatória dos motociclistas. Quando não tinha viagem na agenda, o compromisso dela era só curtir uma cerveja com a turma.

“O postinho ficará sempre registrado nas nossas memórias como o lugar certo de congregar, dar boas risadas, rever pessoas que nem sempre se viam em outros lugares e, claro, matar a sede com a cerveja mais gelada de Campo Grande”, relata.

De rosa, Sandra Mello com as amigas durante mais um encontro no postinho. (Foto: Arquivo pessoal)
De rosa, Sandra Mello com as amigas durante mais um encontro no postinho. (Foto: Arquivo pessoal)

Vocalista da Banda Muchileiros, Carlos Bagre é um dos músicos que movimentavam a cena. Primeiro, o grupo se apresentava nas sextas-feiras, sábados, mas foi aos domingos que as apresentações conquistaram o público.

Em 2009, o grupo campo-grandense gravou um DVD no postinho. Na ocasião, o vocalista conta que o evento tomou uma proporção inédita. “Segundo os bombeiros, havia mais de quatro mil pessoas naquele dia e foi um dia muito cheio mesmo porque normalmente dava umas mil pessoas.  Como foi um evento especial, deu muito mais gente”, diz.

Em algumas cidades por onde a banda passa, o vocalista vez ou outra encontra alguém dos tempos do postinho. “O que restou foi a lembrança de um tempo muito bom. Muita gente nos encontram e falam: ‘Sou da época do postinho, todo domingo ia ver vocês’. O postinho virou uma referência da época”, pontua.

Acompanhe o Lado B no Instagram @ladobcgoficial, Facebook e Twitter. Tem pauta para sugerir? Mande nas redes sociais ou no Direto das Ruas através do WhatsApp (67) 99669-9563 (chame aqui).

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para entrar na lista VIP do Campo Grande News.

Nos siga no Google Notícias