ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JUNHO, DOMINGO  16    CAMPO GRANDE 22º

Comportamento

‘Procura-se’ Baianas de Acarajé: Iphan vai mapear mulheres em MS

Ofício é reconhecido como patrimônio cultural do Brasil desde 2004

Por Aletheya Alves | 23/05/2024 08:37
Zezé é figura conhecida entre as Baianas de Acarajé em Campo Grande. (Foto: Divulgação/PMCG)
Zezé é figura conhecida entre as Baianas de Acarajé em Campo Grande. (Foto: Divulgação/PMCG)

Apesar de exercerem um ofício reconhecido como patrimônio cultural do Brasil desde 2004, as Baianas de Acarajé sul-mato-grossense não integram nenhum tipo de cadastro para que sejam mapeadas. Por isso, o Iphan/MS (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional) abriu um cadastro online que já está disponível.

“O Ofício das Baianas de Acarajé e os saberes associados a ele, isto é, todo universo cultural que envolve a prática, tais como sua relação com a religiosidade de matriz africana e o reconhecimento da importância do legado dos ancestrais africanos no processo histórico de formação de nossa sociedade, é reconhecido como o Patrimônio Cultural do Brasil desde 2004, abrangendo todo território nacional”, explica nota do instituto sobre o motivo da ação.

Com isso em mente, o objetivo é entender e ampliar as oportunidades e condições para que políticas de salvaguarda e difusão dos conhecimentos sejam desenvolvidas. “E, sobretudo, desenvolver e gerar benefícios diretos para os segmentos sociais integrados ao Ofício das Baianas de Acarajé nos universos simbólicos afro-brasileiros”.

O cadastro já está disponível online através de formulário do Google no link https://forms.office.com/r/LvcTcxN4Vx.

Acompanhe o Lado B no Instagram@ladobcgoficial, Facebook e Twitter. Tem pauta para sugerir? Mande nas redes sociais ou no Direto das Ruas através do WhatsApp (67) 99669-9563 (chame aqui).

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News e siga nossas redes sociais.

Nos siga no Google Notícias