ACOMPANHE-NOS    
OUTUBRO, SÁBADO  31    CAMPO GRANDE 18º

Consumo

Já que vinil superou CD, veja onde comprar em Campo Grande

Passados 40 anos, vinil não é mais coisa antiga ou da galera “alternativa”, e neste ano a marca de venda ultrapassou a do CD

Por Raul Delvizio | 18/09/2020 06:52
Até a fachada de loja na rua 14 de Julho possui discos de vinil expostos à venda (Foto: Arquivo Pessoal)
Até a fachada de loja na rua 14 de Julho possui discos de vinil expostos à venda (Foto: Arquivo Pessoal)

A disputa entre vinil e o CD já é de longa data. Há quem diga que o “primo moderno” é mais versátil, enquanto outros alegam que o som do “vovô” é mais vintage. Mas pela primeira vez em 40 anos, o relatório atualizado da Associação Americana de Indústria de Gravação indicou que o LP velho de guerra superou a marca de vendas do disco compacto.

Acervo de "novidades" dos LPs, só se for antiguidades daquelas bem boas (Foto: Arquivo Pessoal)
Acervo de "novidades" dos LPs, só se for antiguidades daquelas bem boas (Foto: Arquivo Pessoal)

Aqui na Capital não faltam lugares para conseguir um bolachão de sucesso, e tem gênero musical para todos os ouvidos. “Tenho de tudo um pouco, blues dos anos 60, rock dos anos 70, blues, clássicos da MPB, jazz, forró. Até relíquias dos anos 40 a gente vende por aqui”, comentou Bruno Depino, dono da Hamurabi da Rua 14 de Julho.

Na loja, são aproximadamente 5 mil LPs, enquanto que no depósito ele garante ter por volta de 15 mil unidades. “Por aqui não tenho mais CD, e o vinil continuou a ter a importância de sempre. De uns três anos pra cá, aumentou bastante a venda dos LPs”. A pandemia não atrapalhou essa renda, apenas a venda teve migração para o on-line.

Disco de vinil é o que não falta também na Arco da Velha (Foto: Arquivo Pessoal)
Disco de vinil é o que não falta também na Arco da Velha (Foto: Arquivo Pessoal)

É também o caso do bazar Arco da Velha. E olha que vinil não é mais coisa de “hipster”. “Pra quem é fissurado, deu uma melhorada nas vendas mesmo. As pessoas foram obrigadas a ficarem em casa, e acho que aproveitaram para curtir uma musiquinha”, avalia o vendedor Mário Francis, funcionário do brechó.

De Beatles a Pink Floyd, passando por Donnna Summer, Jimmy Hendrix e até trilha de novela. Lá também tem de tudo, com valor promocional por R$ 5 até item de colecionador de R$ 350. Mas a média de preço é na faixa dos R$ 50. “Tudo depende da prensagem, se é importada ou nacional, assim como o estado de conservação do produto, da capa”, explica Francis.

Quem aqui não se lembra dos clássicos vinis que eram – e ainda são – vendidos com as músicas e temas que foram sucesso nas novelas? (Foto: Arquivo Pessoal)
Quem aqui não se lembra dos clássicos vinis que eram – e ainda são – vendidos com as músicas e temas que foram sucesso nas novelas? (Foto: Arquivo Pessoal)

Em ambas as lojas, não tem jeito: a banda Queen é o que mais sai. E claro, Raul Seixas e – pasme – Engenheiro do Hawaii. Ainda nos brasileiros, tem MPB de Caetano, Chico, João Gilberto, Tim Maia, Elis Regina… a lista só continua. Melhor encerrar por aqui e você ir logo comprar seu LP.

Onde comprar – A Hamurabi Livraria fica na rua 14 de Julho, 1680, no Centro. Já o Arco da Velha Bazar & Brechó Pop fica na rua Pedro Celestino, 924, também no Centro. A Rock Show também faz vendas de discos de vinil, pelo endereço na avenida Afonso Pena, 2949, Centro.

Curta o Lado B no Facebook e no Instagram. Tem uma pauta bacana para sugerir? Mande pelas redes sociais, e-mail: ladob@news.com.br ou no Direto das Ruas através do WhatsApp do Campo Grande News (67) 99669-9563.

Campo Grande News - Conteúdo de Verdade


Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário