ACOMPANHE-NOS    
ABRIL, SÁBADO  17    CAMPO GRANDE 19º

Diversão

Boteco raiz diverte com 56 anos de treta, jukebox e pingaiada

Em poucas horas sentado, o boteco raiz te proporciona espetáculos que não vemos em anos saindo para lugares fitinhas da cidade

Por Lucas Mamédio e Thailla Torres | 26/02/2021 06:28
Recipientes têm pinga com tudo o que você imaginar. (Foto: Lucas Mamédio)
Recipientes têm pinga com tudo o que você imaginar. (Foto: Lucas Mamédio)

Em poucas horas sentado, o boteco raiz te proporciona espetáculos que não vemos em anos saindo nesses lugares fitinhas de Campo Grande. É um intensivão de acontecimentos que te deixa mais tonto que a pinga servida.

Ali na Rua 15 de novembro, o boteco do Fabiano, um boa praça que conversa com todo mundo e ainda toma uma com o cliente, é a síntese desse tipo de estabelecimento.

Nossa reportagem, bem cara de pau, foi até o lugar e, em pouco tempo, pôde testemunhar que o espírito do botecão raiz está bem vivo no Centro.

Teve gente combinando ménage aos berros, amigas brigando, uma delas inclusive discutiu, fez as pazes e tomou cerveja com meio bar. Teve também show particular de um cliente que dançou no meio do salão hipnotizando a todos, até o lendário Sabiá, personagem inconfundível do Centro de Campo Grande estava por lá.

Sentado na mesa do meio, até lendário Sabiá curtia o bar na noite de quinta-feira.
Sentado na mesa do meio, até lendário Sabiá curtia o bar na noite de quinta-feira.

No balcão, tio, sobrinho (os donos) e um funcionário. Numa conversa sem nos identificarmos, eles explicam que compraram o bar há dois anos, mas que ele existe há 56 anos.

O tio de Fabiano, simpático igual ao sobrinho, é quem nos atende. Atrás dele chama atenção uma prateleira repleta de recipientes com pingas curtidas em raízes. Cada dose custa R$ 3,00. Ao final do rolê, por uma empatia inexplicável, Fabiano nos oferece várias delas, só posso dizer que não dirigimos depois.

Tudo no boteco é bom. Na mesa ao lado da nossa estão as amigas que brigaram. O motivo se perdeu em meio aos berros. Pouco antes elas combinavam, brincando, um ménage.

“Hoje é dia de que?”, pergunta uma.

“Ele me lambe e eu te chupo”, diz a outra gargalhando. Um homem completa a mesa. Mesa aliás que monopolizou a atenção do bar durante um bom tempo.

A “DR” das amigas foi longe e envolveu muita gente, até o Fabiano, que precisou apaziguar os ânimos de uma das amigas, a mais exaltada. Ela ficou até quase o bar fechar, discutiu, conversou e bebeu a cerveja de quase todo mundo.

As conversas mais “picantes” do começo desagradaram dois clientes que bebiam sozinhos, mas trocaram impressão sobre a cena. “Pouca vergonha, né, cara? Os clientes todos aí, falando isso na frente de todo mundo”. Ao final, a amiga brava também tomou a cerveja dele.

Cliente dançou quase todas as músicas que ele colocou na jukebox. (Foto: Lucas Mamédio)
Cliente dançou quase todas as músicas que ele colocou na jukebox. (Foto: Lucas Mamédio)

Pessoas que bebem sozinhas é um dos fenômenos mais comuns dos botecos. Eles interagem entre si, mas não é uma regra. São sempre fiéis aos mesmos bares.

Quem não é fiel a bar nenhum é o Sabiá, que vai aonde dão cerveja a ele, apesar da proibição por conta dos problemas psiquiátricos que tem. Sabiá ostentava uma garrafa de “Lokal”, marca de cerveja mais barata do bar e de qualidade duvidosa. Ele apontava para a garrafa e pedia mais. Enquanto estávamos no local, ninguém pagou.

Numa das pontas da calçada um grupo de hippies. Na outra um grupo de flamenguistas, mas a cereja do bolo do boteco do Fabiano estava dentro do salão.

De óculos escuro, camiseta preta e shorts branco, um cliente dançou quase todas as músicas colocada na jukebox, outro item indispensável de um boteco raiz que se preze. A energia dele foi tão contagiante que, em dado momento, outras cinco pessoas dançaram junto.

O chão é limpo, as mesas de plástico também. Tio de Fabiano vai embora antes, se despede de todos e se desculpa pela amigas brigonas.

Aos poucos os "botequeiros" vão pagando suas contas, as vozes vão diminuindo e mais um dia de boteco chega ao fim. Para muitos um lugar de gente bêbada, para outros um momento de escapismo em meio a loucura da vida. Mas uma coisa uma coisa temos certeza, boteco é um patrimônio e deve ser preservado.

Vida longa ao bar de Fabiano!

Bar na Rua 15 de Novembro tem 56 anos de história. (Foto: Lucas Mamédio)
Bar na Rua 15 de Novembro tem 56 anos de história. (Foto: Lucas Mamédio)

Curta o Lado B no Facebook e no Instagram. Tem uma pauta bacana para sugerir? Mande pelas redes sociais, e-mail: ladob@news.com.br ou no Direto das Ruas através do WhatsApp do Campo Grande News (67) 99669-9563.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário