A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 26 de Fevereiro de 2017

04/03/2014 17:44

Cordão Valu faz homenagem com as "Viúvas do Arnaldo"

Elverson Cardozo
Bloco Viúvas do Arnaldo foi criado para homenagear o ex-presidente da Fundação de Cultura de Ponta Porã, Arnaldo Romero, que morreu no ano passado. Bloco Viúvas do Arnaldo foi criado para homenagear o ex-presidente da Fundação de Cultura de Ponta Porã, Arnaldo Romero, que morreu no ano passado.

Encerrando a folia, o Cordão Valu, tradicional em Campo Grande, faz uma homenagem, nesta terça-feira (4), ao ex-presidente da Fundação de Cultura de Ponta Porã, Arnaldo Romero, que morreu, em um acidente de carro, em junho do ano passado.

A saudade do homem que, segundo os amigos, foi atuante e sempre defendeu e difundiu a cultura em Mato Grosso do Sul pode ser vista, hoje, nas fantasias de alguns foliões, homens e mulheres, que foram de pretos, no bloco Viúvas do Arnaldo, criado apenas para a homenagem.

Um das organizadoras, a jornalista Ana Claudia Salomão, de 49 anos, disse que a homenagem foi combinada pela internet. Pelo menos 200 pessoas foram convidadas e cerca de 100 confirmaram presença.

“O Arnaldo, além de ser um grande amigo, era uma pessoa que divulgada a arte a cultura. Era um incentivador, participativo, intelectual e doutor”, comentou.

Da boca dos amigos, que ficaram “viúvos”, só se ouve elogios. Professora, Maria Rosana, 48 anos, foi visinha do ex-presidente. “Eu o conheci quando cheguei em Campo Grande, em 1982”.

Silvana Valu, fundadora do cordão, também foi de viúva. (Foto: Cleber Gellio)Silvana Valu, fundadora do cordão, também foi de viúva. (Foto: Cleber Gellio)

No primeiro carnaval sem Arnaldo, disse, a homenagem é merecida. “Era uma pessoa encantadora, extremamente culta. Era muito requintado”, comentou.

Advogado, Afonso Blen, de 51 anos, também foi homenageá-lo. Fez isso usando a camiseta do último evento promovido pelo ex-secretário, o Festival Sul-Americano de Folclore, realizado em Ponta Porã, em maio do ano passado. “Ele prestigiou todos os bairros”, lembrou. Arnaldo, para ele, “era um irmão, intelectual e grande divulgador da cultura”.

Além das Viúvas, vestidas de preto, o Cordão Valu reuniu, como sempre, foliões mais coloridos, que saíram para se divertir e abusaram da caracterização. O fotógrafo Roberto Higa é um dos exemplos. Foi de Gueixa, maquiado e tudo.

Fotógrafo, Roberto Higa foi de gueixa. (Foto: Cleber Gellio)Fotógrafo, Roberto Higa foi de gueixa. (Foto: Cleber Gellio)

É a segunda vez que ele vai para a Rua General Melo juntar-se aos foliões. “Eu saia no Depravadas, bloco de jornalistas, que começou com o Filhos da Pauta, mas acabou”, disse. Acabou, mas o gosto pela festa permaneceu. “É uma coisa que está no sangue. Eu fotografo carnaval em Campo Grande desde 1970”, afirmou.

Fundadora do bloco, Silvana Valu comentou que, a cada ano, o cordão aumenta. “É espontâneo, lúdico e as pessoas vem pelo clima de paz”.




imagem transparente
Busca

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2017 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.