ACOMPANHE-NOS    
DEZEMBRO, TERÇA  07    CAMPO GRANDE 32º

Diversão

Gal Costa volta com tudo e faz até “geração z” enlouquecer em show

Após vários adiamentos, Gal Costa finalmente cantou em Campo Grande e uniu diferentes gerações em show animado

Por Clayton Neves | 17/10/2021 08:19
Gal Costa uniu gerações em noite de show animado em Campo Grande.
Gal Costa uniu gerações em noite de show animado em Campo Grande.

Após três tentativas frustradas por conta da pandemia, Gal Costa finalmente se apresentou em Campo Grande na noite deste sábado (16), em show que fez todo mundo levantar da cadeira e se contagiar com a força de uma mulher que, aos 76 anos, mantém conexão única com a música, com o palco e com os fãs.

Diante da pandemia e dos riscos de contágio da covid-19, a cantora preferiu não dar entrevistas à imprensa antes da apresentação e se desculpou. Mas, ao subir no palco, ela parecia estar mais perto do que nunca, mesmo após quase 2 anos de isolamento e sem fazer shows pelo País.

Em uma hora e meia de apresentação, com público que respeitou regras da organização Pedro Silva Promoções e não tirou a máscara, o bacana foi observar que Gal conseguiu tirar de casa uma pluralidade de campo-grandenses. Desde seguidores que já a acompanhavam na época da Tropicália até a famosa “geração z”, definição para pessoas nascidas entre 1995 a 2010, quando a cantora já era mega famosa no cenário musical brasileiro.

Luiz Henrique Raele Braga, de 35 anos, levou um disco de vinil para o show na esperança de conseguir um autógrafo. (Foto: Clayton Neves)
Luiz Henrique Raele Braga, de 35 anos, levou um disco de vinil para o show na esperança de conseguir um autógrafo. (Foto: Clayton Neves)

“A Gal é isso: de todos os tempos e épocas. O trabalho dela tem o poder de abranger gerações e mesmo as músicas mais antigas se tornam conhecidas”, comenta o estudante Matheus Soares, de 20 anos, que fez questão de prestigiar a cantora.

Quando ele nasceu, Gal já comemorava 35 anos de uma carreira bem sucedida. Apesar disso, Matheus conta que nada o impediu de conhecer e se encantar pela arte da baiana que ele viu e ouviu pela primeira vez na televisão. “Quando eu era criança ouvia músicas dela nas novelas. Gostei, passei a pesquisar sobre o trabalho que ela fazia e virei fã. Hoje ouvi-la me traz muita memória afetiva”.

Já o aposentado Amilton Barreira, de 72 anos, também fez questão de ir ao show, foi o seu evento desde o início da pandemia. Impressionado em dividir espaço com os “novinhos”, Amilton acredita que “a voz boa” de Gal Costa é o segredo para que a cantora consiga agregar diferentes gerações em sua apresentação. “Isso é muito interessante e vejo como um sinal de que o artista conseguiu cativar vários tipos de público e continua conservando isso mesmo após anos”, comenta.

Após quase 2 anos sem curtir shows, Amilton saiu de casa para prestigiar Gal. (Foto: Clayton Neves)
Após quase 2 anos sem curtir shows, Amilton saiu de casa para prestigiar Gal. (Foto: Clayton Neves)

Do palco, com timbre encantador que soava naturalmente, Gal cantou músicas que não podiam faltar no repertório. Com uma explosão de luzes e efeitos especiais, o sucesso Chuva de Prata arrancou aplausos frenéticos da plateia. “Festa do Interior”, “Vaca Profana” e as “Curvas da Estrada de Santos” completaram a lista e fizeram com que todos cantassem junto com a artista, que ficou emocionada.

Ao cantar “Brasil Mostra a Sua Cara”, sucesso eternizado pela voz de Cazuza, Gal levou público a loucura e mandou o recado afirmando que a canção fazia referência “ao que vivemos no Brasil”.

Exemplo do choque de gerações da noite, o mestrando em Literatura Luiz Henrique Raele Braga, de 35 anos, levou um disco de vinil para o show na esperança de conseguir um autógrafo. Mesmo em tempos onde a música digital impera no mercado, ele afirma ter vários LP’s, todos originais e da época em que foram lançados.

Mantendo o apreço pelo antigo e o contemporâneo, o estudante acredita que a música de Gal Costa consegue estabelecer elo entre as décadas e abranger diferentes gerações e costumes. “A música dela nos preenche e abarca várias épocas. Nesses tempos sombrios em que vivemos ela é acolhedora. É a história viva”, finaliza.

Animada, ela cantou diversos sucessos e levou público à loucura. (Foto: Clayton Neves)
Animada, ela cantou diversos sucessos e levou público à loucura. (Foto: Clayton Neves)

Curta o Lado B no FacebookTem uma pauta bacana para sugerir? Mande pelas redes sociais, e-mail: ladob@news.com.br ou no Direto das Ruas através do WhatsApp do Campo Grande News (67) 99669-9563.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário