ACOMPANHE-NOS    
SETEMBRO, TERÇA  22    CAMPO GRANDE 17º

Diversão

Shopping abre cedo para crianças autistas curtirem Papai Noel no silêncio

Pela primeira vez elas ficaram mais de uma hora no local sem se irritar com barulhos e puderam aproveitar os brinquedos

Por Alana Portela | 23/12/2019 08:15
Famílias levam filhos autistas para se divertirem no shopping (Foto: Alana Portela)
Famílias levam filhos autistas para se divertirem no shopping (Foto: Alana Portela)

Domingo foi dia das crianças autistas aproveitarem o café da manhã no Shopping Campo Grande com o Papai Noel. Pela primeira vez, elas ficaram mais de uma hora no local conhecendo o espaço e se divertindo nos brinquedos ao silêncio, antes do estabelecimento abrir as portas para o público em geral. O bom velhinho apareceu por lá e no seu sofá, recebeu os pequenos para tirarem fotos.

Os pequenos são do Amar, um grupo de WhatsApp criado em 2015 e organizado por pais para trocarem experiências e planejarem atividades que ajudam no desenvolvimento dos filhos. Ontem o shopping abriu às 8h30 para as crianças curtirem os brinquedos até às 10h, horário de funcionamento do local. Ana Sauter é responsável pelas organizações de atividades na equipe e comenta que sobre a importância do acolhimento da sociedade.

“A inclusão de ambientes públicos na vida das crianças é algo no qual encontramos dificuldades pontuais, independente se tem autismo severo ou mais leve. Existe muito preconceito e podemos observar que hoje a maioria deles não têm uma característica física que define a deficiência, então falamos que o autismo não tem cara”, diz.

Os papais, Alexandre e Márcia, levaram o filho Eduardo para curtirem o local juntos (Foto: Alana Portela)
Os papais, Alexandre e Márcia, levaram o filho Eduardo para curtirem o local juntos (Foto: Alana Portela)
O Papai Noel recebeu os pequeninos para tirar fotos (Foto: Alana Portela)
O Papai Noel recebeu os pequeninos para tirar fotos (Foto: Alana Portela)

Ela é administradora, mãe de uma menina de 11 anos com autismo e relata as dificuldades do dia a dia. “Eles não conseguem esperar, alguns têm receio ao toque, barulho e movimento excessivos. Estão entre eles, então os pais não precisam se preocupar com olhares tortos, julgamentos”, declara Ana Sauter.

Cerca de 40 famílias confirmaram a presença no evento, inclusive Paulo dos Santos que é policial e levou os filhos para brincar no vídeo game. Samuel tem dois anos, foi diagnosticado com autismo bem cedo e os pais iniciaram o tratamento. “É importante saber da deficiência o quanto antes, assim realiza os acompanhamentos adequados e consegue uma melhora no quadro”.

O pai conta que descobriram o autismo de Samuel após reparar que diferente da irmã da mesma idade, ele não falava e nem dava sinais que entendesse o que estava acontecendo ao redor. “O comportamento era diferente, então levamos no neuropediatra que deu o diagnóstico. Agora ele realiza vários acompanhamentos e isso tem ajudado no seu desenvolvimento”, afirma.

Paulo comenta que quando o espaço é aberto, o barulho e até a iluminação incomodam. “É muita informação, então sobrecarrega. Desta vez podemos ficar mais tempo, pois fica brincando e passando a mão na barba do Papai Noel”, relata.

A professora Regina Quintana se mudou para Campo Grande há 8 meses, após descobrir que o filho Arthur de 3 anos sofria do transtorno do espectro autista. “Na época ele tinha 1 ano e 8 meses e tivemos que vir de Bela Vista para proporcionar o tratamento adequado a ele. Tem muita dificuldade de interação e se o lugar tivesse cheio não entrava por conta do barulho. Fica irritado, chora”.

Regina Quintana ao lado do filho Arthur de 3 anos e do esposo (Foto: Alana Portela)
Regina Quintana ao lado do filho Arthur de 3 anos e do esposo (Foto: Alana Portela)
A mãe aproveitou o momento especial para fazer selfies com o filho (Foto: Alana Portela)
A mãe aproveitou o momento especial para fazer selfies com o filho (Foto: Alana Portela)

Tem dias difíceis e tranquilos, e assim como Arthur a mãezona também está se adaptando. “Tivemos uma evolução satisfatória, antes ele não se comunicava, hoje já mostra o que quer”, comenta Regina.

Quem também levou os filhos para conhecerem o shopping foi Ana Paula Oliveira. Ela é professora, mãe de três crianças, o João de 9 anos e os gêmeos Ana e Pedro de 3 anos, que nasceram com autismo. “Descobri no começo do ano e foi um choque, mas depois fomos nos adaptando. Eles sentem medo de ficar em locais movimentados por conta do problema sensorial. Ter um espaço para levá-los é importante porque nós queremos que eles vivam normalmente”.

Foram duas horas de diversão. A criançada chegava tímida no local, com medo, mas logo viam os brinquedos e outras crianças correndo e se soltavam. Enquanto uns aproveitavam os brinquedos, outros ficaram encantados com a árvore de Natal gigante e com a presença do Papai Noel. Entre uns minutos e outros, paravam o que estavam fazendo para tomar o café da manhã saboroso preparado especialmente para eles.

Curta o Lado B no Facebook e no Instagram.