ACOMPANHE-NOS    
JUNHO, SEGUNDA  01    CAMPO GRANDE 18º

Faz Bem!

Prestes a dar à luz, mãe nenhuma imaginou ter um filho na pandemia

Puerpério é um período sombrio, e que pode trazer traumas principalmente quando até o acompanhante está proibido na sala de parto

Por Paula Maciulevicius Brasil | 31/03/2020 07:35
Puerpério é o nome que se dá ao período depois do parto e que pode durar até 1 ano. (Foto: Paula Cayres)
Puerpério é o nome que se dá ao período depois do parto e que pode durar até 1 ano. (Foto: Paula Cayres)

A quarentena que as mães de recém-nascidos já viviam antes da recomendação de isolamento já era solitária, agora então, a sensação de angústia e medo aumenta quando um vírus está a solta. Há nove meses, ninguém imaginaria que o bebê que viesse ao mundo nesta época nasceria em meio a uma pandemia de coronavírus. Além de tantos cursos e dicas de primeiros socorros e cuidados básicos com um recém-nascido, um assunto que nunca é demais ser falado é o puerpério.

O nome pesa, talvez para quem já tenha passado por dois, e soa desconhecido por quem ainda vai viver. O significado é: período que se inicia imediatamente após o parto e pode durar até o primeiro ano da vida do bebê. Fase marcada por intensas transformações. Quem era só filha, agora se vê mãe de um ser exclusivamente dependente de você.

"Para mim o puerpério foi tudo o que nunca imaginei. Achei que era só parir e voltar com um bebê pra casa, mas nunca me vi tão tomada de sentimentos tão divergentes. Chorei muito, de felicidade, de tristeza, de culpa, de dor, de sono.

Não sei se queria ter sabido disso antes. Fez parte da construção diária que tem sido a maternidade pra mim, acho que foi necessário. Mas hoje sei que se temos uma amiga passando pelo puerpério, temos que ser solidárias, fazer por ela o que queríamos que tivessem feito por nós.

Falta sororidade no puerpério", diz a professora Danielle Gusman, mãe de Alice.

O puerpério é um período sombrio, e que pode trazer traumas principalmente quando até o acompanhante está proibido de entrar na sala de parto. Quem acompanha o que escrevo, e estou super em falta, na coluna Mãe também reclama, sabe que maternidade é minha paixão e o motivo das minhas maiores reclamações.

Psicóloga, Keyth Gimenes Barros, também está sempre presente por aqui, não só por ser a minha, mas por ser especialista em clarear as ideias quanto à maternidade. Junto da doula Tatiana Marinho, hoje elas farão uma live sobre: "Puerpério: em tempos de pandemia, como se preparar para receber seu bebê". E meu apelo aqui é para você compartilhar isso com uma gestante.

"É inevitável tratar desse assunto, queremos ouvir as famílias, saber como estão se organizando para a chegada do bebê neste momento tão incerto. Me preocupa muito os impactos emocionais do bloqueio de acompanhantes no parto", exemplifica Keyth.

A conversa, que se não fosse o coronavírus, seria numa grande roda, ao vivo, uma do lado da outra, vai falar de todas as transformações, sentimentos ambíguos, além de mudanças físicas e psíquicas que as mães passam. "A diferença entre imagem do bebê real e do imaginário. O luto pela perda da vida anterior, a importância da rede de apoio", enumera a psicóloga.

A live será transmitida pelo Instagram Matre Espaço Terapêutico, às 19h, horário daqui mesmo.

Curta o Lado B no Facebook e no Instagram. Tem uma pauta bacana para sugerir? Mande pelas redes sociais, e-mail: ladob@news.com.br ou no Direto das Ruas através do WhatsApp do Campo Grande News (67) 99669-9563.