ACOMPANHE-NOS    
AGOSTO, QUINTA  18    CAMPO GRANDE 21º

Lado Rural

MS já colheu 12% da safra de inverno e se consolida como produtor de milho

Geadas ocorridas em MS não afetaram gravemente a produção, mantendo estimativa inicial de produtividade

Por Liana Feitosa | 20/07/2022 18:06
Colheita de milho em andamento em lavoura do Estado. (Foto: Semagro)
Colheita de milho em andamento em lavoura do Estado. (Foto: Semagro)

Mato Grosso do Sul já colheu 243.024 hectares de milho segunda safra de acordo com o boletim de acompanhamento de safra do Siga (Sistema de Informação Geográfica do Agronegócio Integrado).

Os dados são levantados pela Famasul (Federação da Agricultura e Pecuária de MS) e Aprosoja/MS (Associação dos Produtores de Soja de MS), em parceria com a Semagro (Secretaria de Estado da Produção, Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico e Agricultura Familiar).

Até o último dia 15 a área colhida de milho da safra de inverno estava mais adiantada na região norte do Estado, cerca de 40,6%, enquanto a região central tinha 15,6% colhidos e, a região sul, 5,81%.

Até essa data, a porcentagem de área colhida nesta safrinha era 11,3% superior em relação ao mesmo período da safrinha 2020/2021. As geadas ocorridas entre os meses de maio e junho não afetaram significativamente a produção, portanto a estimativa inicial de produtividade está mantida.

A estimativa é que sejam colhidos um total de 9,34 milhões de toneladas de milho nesta segunda safra em uma área de 1,992 milhão de hectares, o que presenta retração de 12,6% em relação a área plantada na 2ª safra do ano passado. A produtividade estimada é de 78,13 sc/ha.

“Os dados refletem primeiro que o Mato Grosso do Sul está se consolidando aí um grande produtor de milho no País. Está hoje na quarta, quinta posição no ranking nacional. Então acho que a safra está refletindo em consolidação da chamada safrinha no Mato Grosso do Sul que é a nossa segunda safra de milho”, destacou Jaime Verruck, titular da Semagro.

Clima – O levantamento ainda aponta que a previsão meteorológica para o trimestre de julho-agosto-setembro mostra que as chuvas vão variar entre 50mm e 300 mm em grande parte do Estado. De acordo com os modelos climáticos, há uma tendência de que as chuvas ficarão entre 40 a 50% abaixo da média climatológica.

Nos siga no Google Notícias