ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
MAIO, QUARTA  22    CAMPO GRANDE 30º

Meio Ambiente

Amor eternizado em ponte denuncia seca histórica no Rio Miranda

Marca deixada por casal há 6 anos hoje é sinal que Pantanal enfrenta pior seca “dos últimos tempos”

Por Kamila Alcântara | 22/03/2024 19:05

Uma demonstração de amor, feita em 2018 de cima de um barco, hoje é uma triste referência: as águas do Rio Miranda “sumiram” e seca histórica expõe o fundo assoreado. Vídeo divulgado pelo Instituto SOS Pantanal já alcançou mais de 100 mil pessoas nas redes sociais em apenas dois dias. Além do cenário desolador, expõe a união de "Francesco e Lidiane".

Postado na última quarta-feira (20), com narração do Gustavo Figuerôa, diretor de comunicação do Instituto, a gravação mostra a situação do rio na altura do município de Bonito, a 297 km de Campo Grande. Por lá, pescadores e ribeirinhos conseguem caminhar no que um dia foi as profundezas do Miranda, que tinha aproximadamente 10 metros.

Além da diminuição das chuvas e altas temperaturas, fatores como o desmatamento do Cerrado e Mata Atlântica, no entorno do Pantanal, a falta de curvas de nível e matas ciliares que protegem as nascentes explica o registro chocante.

Em entrevista ao Campo Grande News, Gustavo ficou impressionado com o alcance do conteúdo, mesmo com tantos comentários negacionistas, porque de alguma forma mais pessoas foram impactadas com a situação.

“Muitos comentários assustados e indignados, mas também muitos negacionistas e isso não tem como evitar quando falamos com grandes massas. É triste ver que mesmo com a prova as pessoas não acreditam, consideram normal, só que relatos científicos e da população dizem que nunca foi tão seco assim. O importante é que isso atingiu muitas pessoas e virou preocupação para muitas delas”, disse.

Importante ressaltar que, conforme indica o monitoramento do SGB (Serviço Geológico do Brasil, vinculado ao Ministério das Minas e Energia) no último dia 18, os rios da Bacia do Rio Paraguai, no Pantanal, já vinham apresentando níveis abaixo da média desde fevereiro, que é considerado o período de cheias na região que abrange Mato Grosso e Mato Grosso do Sul. Na estação de Porto Murtinho, por exemplo, o rio alcançou apenas 1,67 m no dia 8 de fevereiro, muito abaixo da cota mediana de 3,3 m.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News e siga nossas redes sociais.

Nos siga no Google Notícias