ACOMPANHE-NOS    
NOVEMBRO, SEGUNDA  30    CAMPO GRANDE 24º

Meio Ambiente

Desmobilização de brigadistas não afeta combate às queimadas em MS, diz Ibama

Com redução nos focos de queimadas no Pantanal, brigadistas de três estados do NE e do DF já tinham começado a retornar para casa

Por Silvia Frias | 22/10/2020 08:25
Equipes da BA, PE, PI e do DF auxiliaram no combate às queimadas no Pantanal (Foto/Divulgação)
Equipes da BA, PE, PI e do DF auxiliaram no combate às queimadas no Pantanal (Foto/Divulgação)

A desmobilização dos brigadistas do Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais e Renováveis) e retorno para bases de origem não afeta o trabalho de combate às queimadas em Mato Grosso do Sul, já que os grupos já estavam voltando aos estados de origem.

No auge das queimadas na região do Pantanal, os brigadistas de MS receberam apoio de 45 brigadistas da Bahia, Pernambuco, Piauí e de coordenadores no Distrito Federal.

“Se fosse há duas semanas atrás, seria o caos, não consigo nem imaginar como cumpriria essa determinação”, explicou o coordenador do PrevFogo em MS, Márcio Yule.

No início de outubro, o Estado registrou cerca de 1 mil focos de incêndios somente no Pantanal, 94% dos incêndios de MS. Ontem, segundo dados do Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais) foram 17 focos de calor.

A informação é que o Ibama alcançou o teto financeiro, restrição orçamentária que já havia sido divulgada em agosto pelo ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, que havia determinado o retorno dos brigadistas às suas bases naquele período.

Naquele mês, a Secretaria de Orçamento Federal determinou o bloqueio de R$ 20,9 milhões em verbas do Ibama e outros R$ 39,7 milhões em recursos do ICMBio. A restrição iria paralisar ações de combate às queimadas no Pantanal e demais regiões do país, afirmou o MMA mais cedo.

Na ocasião, a falta de recursos foi desmentida pelo vice-presidente da República, Hamilton Mourão, alegando que houve “precipitação” de Salles e que o contingenciamento tinha relação com a realocação de recursos para pagamento do auxílio emergencial. A desmobilização não foi executada.

Agora, segundo Yule, a desmobilização chega em momento que os brigadistas de Mato Grosso do Sul podem conter os focos de queimadas ainda existentes, principalmente na região do Pantanal.

Em ofício, Ricardo Vianna Barreto, chefe do Centro Especializado Prevfogo, do Ibama, determina "o recolhimento de todas as Brigadas de Incêndio Florestal do IBAMA para as suas respectivas Bases de origem, a partir das 00:00H (zero hora) do dia 22 de outubro de 2020, onde deverão permanecer aguardando ordens para atuação operacional em campo".

As equipes do Piauí retornaram para casa na semana passada e, agora, é a vez dos brigadistas da Bahia e Pernambuco. Pelo menos 10 da equipe baiana saíram da Fazenda Bodoquena, dormiram em município de Goiás e seguem viagem.

Outros brigadistas ainda estão concentrados na Serra do Amolar, na divisa entre MS e MT. Eles estão se deslocando em embarcações, com destino a Corumbá e, de lá, seguem por terra até as respectivas bases, no Nordeste.

No auge das queimadas na região do Pantanal, os brigadistas de MS receberam apoio de 45 brigadistas da Bahia, Pernambuco, Piauí e de coordenadores no Distrito Federal.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário