ACOMPANHE-NOS    
JANEIRO, QUARTA  27    CAMPO GRANDE 21º

Meio Ambiente

Em época que araras saem do ninho para aprender a voar, população pode ajudar

Segundo especialista, a ave nunca abandona seus filhotes, por isso população só precisa se preocupar se a arara estiver ferida

Por Ana Oshiro | 30/11/2020 11:47
Em novembro e dezembro os filhotes saem do ninho para aprender a voar (Foto: Arquivo/Silas Lima)
Em novembro e dezembro os filhotes saem do ninho para aprender a voar (Foto: Arquivo/Silas Lima)

Após o resgate de um filhote de arara-canindé, no último domingo (29), pela PMA (Polícia Militar Ambiental), o Instituto Arara Azul alerta que neste período é normal que as aves fiquem paradas por muito tempo em árvores, fios, telhados, ou até mesmo no chão. Nem sempre é preciso realizar o resgate do animal.

Entre novembro e dezembro é a época em que os filhotes de araras começam a sair dos ninhos para aprender a voar, muitas vezes eles pousam no primeiro local que encontram, por isso ficam parados esperando seus pais o encontrarem para ser alimentados. Durante os meses de janeiro e fevereiro essas situações também podem acontecer.

"É importante alertar que as araras nunca abandonam seus filhotes, os casais saem para se alimentar e buscar comida. Os pais voltam, alimentam os filhotes que estão ali e saem para procurar e alimentar os filhotes que já saíram do ninho. Na grande maioria das vezes, não é preciso se preocupar e chamar o resgate humano.", explica Larissa Tinoco, coordenadora de campo do Projeto Aves Urbanas - Araras na Cidade, do Instituto Arara Azul.

De acordo com Larissa, o tempo para os pais encontrarem os filhotes pode demorar apenas alguns minutos, ou até dias, por isso é importante que a população fique atenta ao se deparar com uma arara parada por muito tempo, e só chamar o resgate se perceber que a ave está machucada ou corre risco de ser ferida.

Instituto orienta o que fazer ao encontrar filhote de arara (Foto: Reprodução)
Instituto orienta o que fazer ao encontrar filhote de arara (Foto: Reprodução)

A orientação do Instituto Arara Azul é apenas observar a ave, para mantê-la segura. Caso a arara esteja no chão, o recomendado é colocar o animal em algum lugar alto, para que ela consiga pegar impulso e voar novamente.

"Basta aproximar um cabo de vassoura, ela mesmo sobe sozinha, aí é ir pra perto de uma árvore, muro, telhado, qualquer lugar mais alto, e a própria arara se transfere para esse ponto, onde ficará mais segura até ter forças para voar novamente, ou ser encontrada pelo seus pais", orienta Larissa.

Segundo a especialista, o instituto tem conversado com a PMA e com a Patrulha Ambiental da GCM (Guarda Civil Metropolitana) para orientar sobre resgates de filhotes, já que muitos deles não são necessários e só prejudicam esses animais. "Ao resgatar uma ave filhote você tira a liberdade daquele animal sem necessidade, fora o estresse que os pais daquela arara vão passar, procurando pelo filhote por dias", comenta Larissa.

Quem encontrar uma arara e ficar em dúvida sobre chamar ou não um resgate, pode entrar em contato com o Instituto Arara Azul pelo whatsapp (67) 99335-4709, onde receberá orientação sobre o que fazer em cada situação. No instagram @institutoararaazuloficial também é possível receber informações.

Em novembro e dezembro os filhotes saem do ninho para aprender a voar (Foto: Arquivo/Silas Lima)
Filhote de arara foi resgatado ontem (29) em Campo Grande (Foto: Divulgação/PMA)

Resgate - O filhote de arara-canindé resgatado pela PMA (Polícia Militar Ambiental) ontem (29), estava no quintal de uma residência no Bairro Coronel Antonino. A moradora do local acionou o órgão, depois de notar que a ararinha estava sozinha, desde o início da manhã, em uma árvore que fica no fundo do imóvel.

Segundo a moradora, aparentemente, os pais da ave não estavam nas proximidades para alimentar o filhote e, preocupada com a saúde do animal, ela decidiu acionar a PMA. Uma equipe do órgão foi ao local, capturou a ave e encaminhou a ararinha ao Cras (Centro de Reabilitação de Animais Silvestres), na Capital.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário