ACOMPANHE-NOS    
OUTUBRO, QUINTA  22    CAMPO GRANDE 25º

Meio Ambiente

Justiça determina retirada de escombros de ponte que caiu em rio

Desabamento de ponte de concreto sobre rio em Guia Lopes da Laguna há 2 anos ganhou repercussão nacional

Por Humberto Marques | 18/02/2019 18:55
Ponte que desabou sobre o rio Santo Antônio havia sido inaugurada em 2012. (Foto: MPMS/Divulgação)
Ponte que desabou sobre o rio Santo Antônio havia sido inaugurada em 2012. (Foto: MPMS/Divulgação)

Atendendo a pedido da Promotoria de Justiça do Meio Ambiente de Jardim, a Justiça de Mato Grosso do Sul determinou a retirada de escombros da ponte de concreto que desabou, em janeiro de 2016, no rio Santo Antônio, em Guia Lopes da Laguna –a 227 km de Campo Grande. A decisão ocorreu em ação civil pública com pedido liminar, cobrando da Agesul (Agência Estadual de Gestão de Empreendimentos) a tomada de providências no caso.

Conforme relembrou o MPMS (Ministério Público de Mato Grosso do Sul) na ação, em janeiro de 2016 uma grande ponte de concreto caiu sobre o rio Santo Antônio, próximo à zona urbana de Guia Lopes. O desabamento da estrutura, inaugurada em 2012, ganhou repercussão nacional diante de filmagens sobre o fato.

Perícias da PMA (Polícia Militar Ambiental), Imasul (Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul) e do Daex (Departamento Especial de Apoio às Atividades de Execução do MPMS) comprovaram que houve danos ambientais por conta dos escombros com a obstrução do leito do rio (formando bancos de areia e colaborando com o assoreamento, dificultando a reprodução dos peixes e atingindo a pesca e a exploração da pesca e do turismo nos rios Santo Antônio e Miranda).

Acionada, a Agesul apontou que a responsabilidade pela queda da ponte foi tema de debate judicial. A 2ª Vara da Comarca de Jardim determinou, então, que sejam retirados todos os escombros da ponte e seja apresentado um projeto de recuperação de área degradada para recuperação dos locais de proteção, atacando avaliação do promotor Allan Cobacho, segundo quem o debate no Judiciário pode se arrastar por anos e danos no rio avançam.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário