ACOMPANHE-NOS    
MAIO, QUINTA  26    CAMPO GRANDE 29º

Meio Ambiente

La Ninã deve favorecer a ocorrência de geadas em Mato Grosso do Sul

Assim como em 2021, as geadas devem acontecer no mês de junho na região sul do Estado

Por Jhefferson Gamarra | 21/01/2022 16:16
Geada ocorrida em junho de 2021 em Rio Brilhante, tinha sido prevista pela Embrapa (Foto: Diego Batistoti/Arquivo)
Geada ocorrida em junho de 2021 em Rio Brilhante, tinha sido prevista pela Embrapa (Foto: Diego Batistoti/Arquivo)

A Embrapa Agropecuária Oeste emitiu na quinta-feira (20), um alerta para o alto risco de ocorrer geadas no mês de junho, em municípios da região sul de Mato Grosso do Sul. A perspectiva é decorrência do fenômeno La Niña, que deve deixar a temperatura abaixo de 4ºC no Estado.

“Analisando o histórico climático da região sul de Mato Grosso do Sul em relação às outras vezes que esse fenômeno aconteceu, sempre em anos de La Niña ocorreu frio intenso no mês de junho, com temperaturas chegando abaixo de 6 ºC e na maioria das vezes abaixo de 4 ºC, caracterizando condição favorável a geadas”, informou a Embrapa.

O modelo de previsão utiliza informações sobre as chuvas apuradas em uma estação agrometeorológica da Embrapa e de temperatura da superfície do mar fornecidas pela agência americana oceânica e atmosférica.

A instituição afirma que essa probabilidade de geada é de 75%, podendo acontecer sob qualquer intensidade, desde fraca até forte. Quando as temperaturas caem abaixo de 3ºC, a intensidade da geada é moderada e abaixo de 1ºC, forte.

No ano passado, o sul de Mato Grosso do Sul também registrou geadas que haviam sido previstas em janeiro pela Embrapa. O fenômeno, de forte intensidade, ocorreu justamente no mês de junho, quando as temperaturas mínimas foram de 0,8ºC em Ivinhema, 0,3ºC em Dourados e -2,1ºC em Rio Brilhante. Dos seis anos já avaliados, o sistema da Embrapa demonstrou 83% de acerto.

La Niña – De acordo com a Embrapa, o fenômeno La Niña se caracteriza pelo resfriamento das águas do oceano pacífico equatorial. Quando isso acontece, dadas as fortes interações que existem entre o oceano e a atmosfera, as condições climáticas mundiais passam a ser influenciadas por essa realidade momentânea.

Nos siga no Google Notícias