A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 27 de Fevereiro de 2017

05/03/2012 11:30

Lixo deixado por quem foi a show dá trabalho de um dia inteiro em parque

Paula Vitorino e Paula Maciulevicius
Lixo e garrafa de bebidas deixados por publico de show no Parque dos Poderes. (Foto: Marlon Ganassin)Lixo e garrafa de bebidas deixados por publico de show no Parque dos Poderes. (Foto: Marlon Ganassin)

Depois da festa na noite de ontem, o que sobra no Parque das Nações Indígenas nesta manhã é o lixo deixado por quem foi até o local e esqueceu de usar as lixeiras do espaço. Folhetos de propagandas, garrafas e latinhas tomam conta tanto da parte interna quanto externa do Parque.

O show, em comemoração ao aniversário da Rádio Blink 102 foi realizado na Concha Acústica do Parque, neste domingo. A estrutura preparada era para receber 30 mil pessoas.

Logo no início da manhã, quem frequenta o local para caminhadas e corridas comentava que a sujeira deixada pelos frequentadores incomoda. “Está horrível a sujeira, olha isso. Esse é um lugar que tem que ser preservado”, disse o empresário Claudio Diniz, de 40 anos.

Mas apesar de ser um contraste no verde do Parque, o lixo pós-eventos não é novidade. “Vira uma bagunça sempre depois que tem show, fica essa coisa horrível”, diz Éder Cesar Sanches, de 38 anos.

O comerciante Daniel Sousa, de 60 anos, ainda ressalta que o lixo é produzido pelos próprios frequentadores do espaço. “É a gente que é mal educado. Nós mesmos promovemos a sujeira jogando o lixo no chão”, diz.

A sujeira não se limita só ao espaço do show e toma conta das áreas ao redor. Até o lago sofre com os restos de garrafas e papéis. Os comerciantes do calçadão também sofrem com o lixo e contam que tentam fazer a sua parte.

“Onde eu estou está limpinho, mas ao redor está cheio de sujeira. A Polícia até tenta controlar, mas o povo é difícil”, diz Ambrósio Garcia, de 57 anos.

Um dos trabalhadores da limpeza do Parque, que não quis se identificar, chama a atenção para o fato das lixeiras dentro do Parque estarem quase vazias e o lixo todo jogado ao redor.

“A população precisa ter consciência e quem faz os shows tem que contrata mais pessoas para a limpeza”, diz.

Limpeza - Pela manhã, a reportagem encontrou alguns funcionários do Parque fazendo a limpeza da parte interna do local. Na parte externa, a limpeza é de responsabilidade da Prefeitura, que informou já estar programada a limpeza da área ainda hoje.

A limpeza do local onde aconteceu o show é de responsabilidade da Blink, que promoveu o evento e, durante a divulgação, frisou que seria um evento sustentável. A administração da Rádio informou que desde a madrugada desta segunda-feira equipes trabalham na desmontagem e limpeza do local.

Durante a festa,foram disponibilizados várias lixeiras, chamadas de ecopontos, para coleta de materiais recicláveis e orgânicos. A Blink afirma que o público foi incentivado a utilizar as lixeiras, mas muita gente ignorou a orientação e o pedido.




Se tratando de gente nada supreende, pois em toda comemoração é deixado lixo sem nenhum compromisso.
 
Francisca Maria Veras da Costa em 15/03/2012 10:05:12
Pois é Marco Antonio Pereira Ricartes, pior que isso é a baixaria do Carnaval de rua na Fernando " facada na" Costa! Não faz sentido algum essa proibição da Expogrande, durante muitos anos ela sempre ocorreu traquilamente, e é inaceitável o que está acontecendo agora, sendo que esses outros show ocorrem normalmente aqui na capital! Vai entender né?!, rsrsrsrs
 
Fabiana Rocha em 05/03/2012 12:26:33
Essas pessoas que jogam lixo fora das lixeiras, são as mesmas que dirigem carros, motos, andam de bicicletas, atravessam fora da faixa etc... Portanto, somos todos mal-educados; juntando com os politicos corruptos e professores mal remunerados.Será que tem jeito? Voltaremos a nos reeducar?
 
José Rogerio Facre em 05/03/2012 12:18:59
O primeiro passo que os gestores públicos deveriam dar é proibir a distribuição de folhetos.Quem ganha com isso são só os donos de gráfica. E há muitas outras formas de mídia mais efetivas, menos invasivas e que não poluem. Lixeiras no parque já há. Falta educação por parte do público.
 
Fabio Pellegrini em 05/03/2012 12:03:33
show na acrissul não pode e esta baderna pode ?
quer mais poluiçào sonora do que isso ?
um lugar que deveria ser preservado nosso cartão de visita
 
marco antonio pereira ricartes em 05/03/2012 11:52:02
a educação seria responsabilidade do poder público? havia policiamento no local, mas até que ponto é viável coibir pessoas com total falta de educação ? os shows que acontecem no Parque das Nações Indígenas é uma das melhores atividades culturais que vem acontecendo nos últimos anos. O show de ontem foi um caso isolado e infelizmente, parte do público era composto por pessoas sem noção.
 
Luciana Villamaina Centeno em 05/03/2012 07:04:23
Não entendi a observação de Daniele Rocha, veja: "A limpeza do local onde aconteceu o show é de responsabilidade da Blink, que promoveu o evento e, durante a divulgação, frisou que seria um evento sustentável."
 
CLAUDIO MOREIRA em 05/03/2012 03:07:11
Dias antes do evento questionei a rádio via facebook,pois anteriormente em outro evento organizado pela mesma rádio o lixo espalhado pelo parque e arredores era imenso...disseram que iriam fazer deste evento o mais sustentável ,mas hoje cedo ao caminhar pelo parque constatei que o apelo não deu certo! Panfletos espalhados pra todo lado,deveriam proibir a distribuição desse tipo de propaganda!
 
SERGIO HIDEO MOLICAWA em 05/03/2012 01:46:08
E olha que não era essa a finalidade do show...
 
Daniele Rocha em 05/03/2012 01:40:56
O discurso ecologicamente correto flui com facilidade de nossas bocas e mentes, porém, na prática, no cotidiano, eu, você, eles, todos nós não fazemos absolutamente nada em favor do meio ambiente, preste atenção no lixo da sua casa, fazemos algum tipo de segregação, mínima que seja, para o reaproveitamento dos rejeitos? Precisamos urgentemente nos educar e praticar.
 
CLAUDIO MOREIRA em 05/03/2012 01:21:12
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions