ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
MAIO, QUINTA  30    CAMPO GRANDE 24º

Meio Ambiente

Sancionada lei que autoriza instalação de lixeiras subterrâneas na Capital

Cidades da Bahia, Rio de Janeiro e São Paulo já contam com esses equipamentos

Ricardo Campos Jr. | 09/08/2018 08:42
Exemplo de lixeira subterrânea instalada em Campos (RJ), com detalhe para a parte "visível" do equipamento, onde as pessoas jogam os materiais (Foto: Roberto Joia/divulgação)
Exemplo de lixeira subterrânea instalada em Campos (RJ), com detalhe para a parte "visível" do equipamento, onde as pessoas jogam os materiais (Foto: Roberto Joia/divulgação)

O prefeito Marquinhos Trad (PSD) sancionou com vetos uma lei que permite a instalação de lixeiras subterrâneas em Campo Grande, a exemplo do que já fizeram municípios como Paulínia (SP), Campinas (SP), Campos (RJ) e Salvador (BA). O texto foi publicado na edição desta quinta-feira (9) do Diário Oficial.

Esse tipo de equipamento normalmente é instalado em praças e locais com grande circulação de pessoas, recomendado pela praticidade e por evitar o mau cheiro se for usado corretamente.

Para fazer a coleta, chão se abre como uma grande tampa para que o contêiner possa ser esvaziado no caminhão (Foto: divulgação)
Para fazer a coleta, chão se abre como uma grande tampa para que o contêiner possa ser esvaziado no caminhão (Foto: divulgação)

O recipiente onde as pessoas jogam o lixo não tem fundo. Os materiais caem dentro de um contêiner instalado dentro de uma caixa de concreto debaixo do chão. Para fazer a coleta, a calçada se abre como uma grande tampa, permitindo que os detritos sejam jogados no caminhão e levados embora.

A lei aprovada em Campo Grande estabelece que essas lixeiras deverão ter capacidade suficiente para armazenar pelo menos mil litros, compatível com a quantidade média de materiais descartados produzidos pelas residências e comércios próximos.

O local onde esses equipamentos forem instalados deverá ser sinalizado e a concessionária de limpeza urbana deverá esvaziá-los com frequência.

Marquinhos, por outro lado, vetou o trecho do texto original aprovado pela Câmara Municipal no tocante às especificações técnicas das lixeiras, já que a instalação depende de estudos técnicos e econômicos que serão feitos pelas secretarias competentes e os resultados poderiam entrar em conflito com as características previstas.

Nos siga no Google Notícias