ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JUNHO, DOMINGO  23    CAMPO GRANDE 22º

Meio Ambiente

Secretaria interdita curtume por mau cheiro no distrito industrial da Capital

Edivaldo Bitencourt e Helton Verão | 24/04/2013 19:05
Policiais militares acompanharam a interdição (Foto: João Carrigó)
Policiais militares acompanharam a interdição (Foto: João Carrigó)

A Semadur (Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Desenvolvimento Urbano) interditou, por volta das 16h de hoje, o curtume Qually Peles, no Indubrasil (Distrito Industrial de Campo Grande). A interdição foi realizada por técnicos com o apoio de duas viaturas da Polícia Militar.

Segundo o Departamento de Meio Ambiente da Semadur, a interdição ocorreu em decorrência do mau cheiro. A interdição foi determinada pela chefe da Divisão de Fiscalização e Monitoramento Ambiental da Semadur, Zuleide Tomiko Katayama.

Na semana passada, moradores fizeram um protesto contra a poluição ambiental causada pelo frigorífico.

O advogado da empresa, Arlindo Murilo Muniz, negou que a empresa esteja irregular com o município. Ele explicou que o curtume, que conta com aproximadamente 300 funcionários, só está com a documentação pendente com a Semac (Secretaria Estadual de Meio Ambiente, de Planejamento, de Ciência e de Tecnologia).

Protesto – Moradores apontaram o curtume Qually Peles como a principal responsável pelo mau cheiro. Eles dizem que a indústria lança restos de couro em um terreno baldio que fica ao lado da empresa.

Interdição começou no final da tarde (Foto: João Carrigó)
Interdição começou no final da tarde (Foto: João Carrigó)
Cartaz expressa a interdição do curtume (Foto: João Carrigó)
Cartaz expressa a interdição do curtume (Foto: João Carrigó)

A reclamação é unânime. A dona de casa Elenir Cavania, 39 anos, disse que até as roupas que vão para o varal ficam com cheiro ruim. Segundo o aposentado José Faustino, o cheiro é muito forte. “Pelo fato de aqui ser um núcleo industrial, existe o problema do mau cheiro, e a gente até tolera. Hoje, estamos fazendo um pedido de socorro, para pelo menos amenizar o problema”, pondera.

O dono da empresa Qually Peles, Jaime Valler, na semana passada, defendeu que o local não deveria ser residencial. “O núcleo deveria abrigar só indústrias e não ter moradias”, afirmou Valler.

Lamentando a situação, Valler disse que o problema é do poder público, que deveria construir um núcleo para empresas poluentes, e que a região não deveria permitir moradias no entorno.

Nos siga no Google Notícias