ACOMPANHE-NOS    
AGOSTO, QUINTA  06    CAMPO GRANDE 20º

Política

"Espero que não", diz Marun sobre saída do Brasil de acordo relativo ao clima

O presidente eleito, Jair Bolsonaro, afirmou que recomendou ao futuro ministro das Relações Exteriores a saída

Por Mayara Bueno | 30/11/2018 18:00
Carlos Marun, ministro da Secretaria de Governo da Presidência da República. (Foto: Paulo Francis).
Carlos Marun, ministro da Secretaria de Governo da Presidência da República. (Foto: Paulo Francis).

O ministro da secretaria de Governo da Presidência da República, Carlos Marun, disse, durante agenda em Campo Grande nesta sexta-feira (dia 30), esperar que o Brasil não saia do acordo sobre o clima. Jair Bolsonaro (PSL), presidente eleito, disse ter recomendado a saída do País.

“Não há dúvida que minha avaliação é de que existe uma necessidade absoluta que nós participemos, inclusive como protagonista, haja vista o tamanho do Brasil. É evidente que existem alterações climáticas, que já começam a produzir efeitos econômicos e nós temos que estar engajados nesse processo”.

Há dois dias, o presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), afirmou que recomendou ao futuro ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, que não fosse realizada no Brasil ano que vem a Conferência do Clima da Organização das Nações Unidas, a COP 25.

Tal evento discute, justamente, mudanças climáticas no mundo e como os países podem reduzir a emissão dos gases de efeito estufa, que provocam elevação da temperatura. O posicionamento já gerou reações de lideranças internacionais, como a fala do presidente da França, Emmanuel Macron.

Na Argentina, em encontro do G20, o dirigente disse ser contra assinar acordos comerciais amplos com países que não respeitam o Acordo de Paris, como é chamada a conferência sobre o clima.

“Eu não sei se o presidente eleito já tomou essa decisão de forma definitiva. Eu espero que não. Eu espero que haja espaço, que ele dialogue com seus assessores da área ambiental, tenho certeza que esses que o assessoram nesta área, lhe aconselharão a rever essa posição”.