ACOMPANHE-NOS    
AGOSTO, DOMINGO  09    CAMPO GRANDE 18º

Política

“Me sinto livre para pedir votos", diz Simone após conversa com Renan

Senadora do Mato Grosso do Sul confirmou ontem que vai disputar, dentro do MDB, a indicação para comandar o Senado

Por Mayara Bueno | 22/01/2019 17:02
Senadora Simone Tebet durante entrevista na frente da sede do MDB, em 2018. (Foto: Fernando Antunes/Arquivo).
Senadora Simone Tebet durante entrevista na frente da sede do MDB, em 2018. (Foto: Fernando Antunes/Arquivo).

Segundo a senadora Simone Tebet (MDB/MS), o colega de bancada Renan Calheiros (MDB/AL) não vai desistir da disputa pela presidência do Senado. A parlamentar sul-mato-grossense afirmou ontem que dependia da conversa com o senador para começar a pedir votos e costurar sua indicação dentro do partido.

“Nos falamos por telefone. Ele entendeu, acha que é um direito legítimo a minha candidatura, disse que não desiste da candidatura dele. Agora, depois que falei com o colega, eu me sinto livre para pedir votos para os senadores dentro da minha bancada”. O posicionamento foi enviado por sua assessoria de comunicação. A senadora não atendeu as ligações feitas pela reportagem ao longo desta terça-feira (dia 22).

Apesar do posicionamento anunciado por Renan, em sua conta no twitter, o parlamentar publicou há pouco que a candidatura de Simone “robustece o processo decisório, e consolidará ainda mais a união da nossa bancada”. “O fundamental é que cheguemos juntos ao plenário no dia 1º de fevereiro”.

Ontem, Renan Calheiros, também em sua rede social, afirmou que não tinha intenção de disputar a indicação, porque seus eleitores o concederam outro mandato para ser um “bom senador”, não presidente. A conversa com a senadora de MS vai ao sentido contrário. O senador alagoano já ocupou o cargo máximo do Congresso por cinco vezes.

Com a sinalização do colega, Simone vai tentar angariar votos dentro do MDB, maior bancada do Senado com 12 dos 81 parlamentares. “Eu estou indo para a disputa na crença de que eu possa ter a maioria na bancada. Se eu vou ter, é uma outra história. Isso não significa, em nenhum momento, uma cisão dentro do partido”, disse mais cedo Simone à imprensa nacional.