ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
FEVEREIRO, QUINTA  29    CAMPO GRANDE 34º

Política

“Mesmo na dureza”, Delcídio diz que obra estratégica “vai caminhar”

Lidiane Kober | 30/05/2015 11:39
Segundo Delcídio, o governo promete "atenção especialíssima" a obras de logística (Foto: Divulgação/Assessoria)
Segundo Delcídio, o governo promete "atenção especialíssima" a obras de logística (Foto: Divulgação/Assessoria)

Líder no Senado da presidente Dilma Rousseff (PT), o senador Delcídio do Amaral (PT) disse que, “mesmo na dureza”, a construção da ferrovia EF-267, um braço da Norte/Sul, “vai caminhar”. O projeto, que liga o Estado com o restante do Brasil e com países do Mercosul, é fundamental por garantir logística, um dos principais gargalos para o desenvolvimento de Mato Grosso do Sul.

“Mesmo na dureza que o País deve viver nos próximos dois anos, a Norte/Sul, que é fundamental para o Estado, vai caminhar”, afirmou Delcídio em entrevista por telefone ao Campo Grande News. Segundo ele, o corte de R$ 70,6 bilhões no orçamento da União não deve abalar projetos de logística. “O governo promete atenção especialíssima a obras de ferrovia, de rodovias e de portos”, contou.

O senador informou ainda que a presidente vai anunciar, na segunda semana de junho, as “obras estratégicas” do governo. “Estou acompanhando os estudos (da ferrovia) e tenho interesse em viabilizar isso. Vou procurar, como senador, tentar mitigar, trabalhar muito para Mato Grosso do Sul sofrer o menos possível com os cortes e não perder projetos estratégicos”, garantiu Delcídio.

Segundo o governador Reinaldo Azambuja (PSDB), só em emendas para a saúde o corte de R$ 70,6 bilhões no orçamento da União trará prejuízos de pelo menos R$ 90 milhões. Estava previsto o repasse de R$ 160 milhões. “Os R$ 160 milhões devem virar R$ 70 milhões”, calculou o governador. Ele ainda não descarta a paralisação de obras federais no Estado.

A ferrovia - A Ferrovia Norte/Sul vai cruzar o país e promete passar por Mato Grosso do Sul, abrindo duas portas para o escoamento. Na primeira, ela vem de São Paulo entra pelo município de Brasilândia e segue pelas cidades de Santa Rita do Pardo, Bataguassu, Nova Andradina, Angélica, Deodápolis, Dourados e Maracaju. Depois segue para Mundo Novo com direção ao Paraná, chegando ao porto de Paranaguá.

A previsão inicial do governo federal era de iniciar a EF-267, um braço da Norte/Sul no Estado, no segundo semestre de 2014 e finalizar até 2019. A expectativa de investimento girava em torno de R$ 11 bilhões, 70% financiado pelo BNDES (Banco Nacional do Desenvolvimento) e 30% com capital privado. A obra faz parte do Programa de Investimento e Logística, anunciado pela União em 15 de agosto de 2012. A meta era investir R$ 91 bilhões em 25 anos.

Nos siga no Google Notícias