ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
ABRIL, DOMINGO  14    CAMPO GRANDE 24º

Política

Cortes do governo no orçamento penaliza municípios, avalia Assomasul

Lúcio Borges | 23/05/2015 21:17

"Mais uma vez ou como ocorre na ponta final, as administrações municipais é que sofreram muito mais", avaliou o presidente da Assomasul (Associação dos Municípios de Mato Grosso do Sul), Juvenal Neto (PSDB), na manhã deste sábado, o conteúdo e consequências do histórico e grande corte no orçamento, anunciado pelo Governo Federal nesta sexta-feira (22). O dirigente da entidade que representa os prefeitos do Estado, aponta que a retirada de verbas penaliza muito as prefeituras, principalmente por atingir as emendas parlamentares. Neto se refere ao contingenciamento feito pelo Ajuste Fiscal em Brasília que ficou a princípio em R$ 69,9 bilhões, valor que representa 1,2% do PIB (Produto Interno Bruto).

O presidente-prefeito, aponta ainda que o corte do governo terá forte impacto nas finanças dos municípios sul-mato-grossenses. "Pelos cálculos da CNM (Confederação Nacional de Municípios), há previsão de uma queda nas transferências para estados e municípios na ordem de R$ 11 bilhões. O corte atingiu ainda as emendas parlamentares impositivas, ou seja, aquelas em que o governo teria a obrigação de executá-las”, lamentou Neto.

O dirigente, que antes do anúncio havia advertido os prefeitos e a bancada federal sobre o risco iminente desse prejuízo, ainda mencionou que uma outra maior preocupação, é com os chamados “restos a pagar” as prefeituras de MS, ainda de anos anteriores. "As prefeituras do Estado têm mais de R$ 134 milhões para receber do governo federal referente aos exercícios financeiros de 2013 e 2014.

O presidente da Assomasul disse reconhecer a necessidade de ajuste nas contas do governo. No entanto, acredita que a medida aprofundará ainda mais a crise financeira dos municípios não apenas de Mato Grosso do Sul, mas de todo o País.

Números

Com o anúncio dos cortes, há previsão de uma queda nas transferências constitucionais para estados e municípios na ordem de R$ 11 bilhões. Também haverá cortes em quase todos os ministérios do governo da presidente Dilma Rousseff.

O Ministério da Saúde sofrerá um corte de R$ 11,7 bilhões; o da Educação de R$ 9,4 bilhões; o das Cidades de R$ 17,2 bilhões. Já o corte do Ministério dos Transportes será de R$ 5,7 bilhões e o da Integração Nacional de R$ 2,1 bilhões.

Os ministérios listados têm alta relação com os municípios por meio dos programas federais e das emendas parlamentares.

Nos siga no Google Notícias