A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 15 de Dezembro de 2017

03/07/2013 17:49

Arroyo vê sistema "desgastado" e defende ampla reforma política

Zemil Rocha
Arroyo é pelo financiamento público de campanha e só uma reeleição para parlamentar (Foto: Arquivo)Arroyo é pelo financiamento público de campanha e só uma reeleição para parlamentar (Foto: Arquivo)

O primeiro-secretário da Assembleia Legislativa, deputado estadual Antônio Carlos Arroyo (PR), considera que o sistema político do País precisa urgentemente de uma ampla reforma. “A política precisa de reforma, o sistema está desgastado”, afirmou o parlamentar, ao avaliar a atual realidade do Brasil após as grandes manifestações de rua, que provocaram proposta da plebiscito sobre a reforma política apresentada pela presidente Dilma Roussef e já têm motivado modificações legislativa no Congresso Nacional.

Para ele, todas as medidas que estão sendo propostas decorrem dos protestos de rua. “Foi importante a parte pacifica e ordeira. Não é contra a, b ou c. As pessoas se cansaram de ter uma saúde que não funciona, educação que é ruim, segurança que é péssima, transporte de massa que não funciona, falta de infraestrutura”, desatacou.

Na avaliação dele, o Brasil acordou e viu que está na hora de mudar, com a classe política também sendo influenciada pelas vozes das ruas e implementando as alterações legislativas necessárias. “Não é só pelos 20 centavos da passagem de ônibus; é mobilização para dizer que temos de mudar”, ponderou. “Estou otimista. Algumas coisas começaram a acontecer. Acho que a maioria entendeu o recado das ruas”, emendou.

Arroyo defende mudanças drásticas no sistema eleitoral e no financiamento da campanha. “Sou a favor do financiamento público da campanha eleitoral. Tem que acabar com financiamento de empresário para político”, declarou o republicano.

Favorável ao sistema de lista de candidatos, o deputado Antônio Carlos Arroyo entende que essa “seria melhor foram para fortalecer os partidos”, que dão sustentação ao regime democrático. “Com a lista, acabaria essa coisa de candidatos fazendo campanhas isoladas e a influência econômica”, argumentou. “Hoje os partidos se coligam e a proporcionalidade pode levar outros candidatos, que não aqueles preferidos pelo eleitor, como ocorreu na votação expressiva do Tiririca, que levou com ele mais quatro ou cinco. O eleitor não votou nos outros”, acrescentou.

Caso a proposta de lista fechada não vingue, o deputado republicano considera que a melhor opção para o País seria adotar o “distritão”, defendido pelo vice-presidente Michel Temer. “Nesse sistema os mais votados realmente entram. Não vai ter disparidade nos parlamentos”, asseverou.

Mandatos limitados – O deputado estadual Antônio Carlos Arroyo também é defensor de limitação de quantidade de mandatos por cargo legislativo. “Para mim o prazo legislativo é de no máximo uma reeleição. E no Executivo acho que tem de acabar a reeleição, podendo até aumentar o tempo de mandato”, disse.

Outra mudança na questão da representatividade, pregada por Arroyo, é o fim da figura do suplente de senador. “Tem de acabar com suplente de senador”, pregou o republicano, no mesmo tom crítico da opinião pública, por ver hoje quase um terço de suplentes nas vagas de titulares eleitos.

A coincidência de eleições também é uma proposta que conta com a simpatia de Arroyo: “Temos de parar de gastar fortunas com eleições. Tem de ter uma só, de vereador a presidente da República”.

Quanto ao procedimento legislativo, o deputado Arroyo é a favor de se acabar com votação secreta nos parlamentos, em homenagem ao direito do cidadão-eleitor saber como vota o seu representante.

Plebiscito – A expectativa de Arroyo é de que o Congresso Nacional não demore a decidir sobre a realização do plebiscito, já que o prazo é curto. Ontem, a presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e os 27 presidentes dos Tribunais Regionais Eleitorais (TREs) definiram que o prazo mínimo para dar condições à realização de consulta popular é de 70 dias.

“Temos de melhorar a representatividade e população é soberana, tem de dizer o que ela quer”, defendeu Arroyo. “Mas a população precisa estar bem informada sobre o que diz cada alteração que querem propor, como funciona o sistema de lista, o voto distrital-misto”, ponderou.

 

Diretor da PF entrega ao STF relatório de investigação sobre ministros
O diretor-geral da Polícia Federal, Fernando Segóvia, entregou hoje (15) à ministra Cármen Lúcia, presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), um re...
TRE realiza plantão para cadastramento biométrico neste sábado na Capital
O TRE-MS (Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso do Sul) realiza neste sábado mais um plantão para atender eleitores de Campo Grande que ainda nã...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions