ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
FEVEREIRO, SÁBADO  24    CAMPO GRANDE 24º

Política

Assim como MS, vizinho Mato Grosso também manterá alíquota de ICMS

Por conta de Reforma Tributária, vários governadores anunciaram aumento na alíquota, mas em MS e MT não subirá

Por Danielly Escher | 06/12/2023 17:34


Governador do Mato Grosso, Mauro Mendes em agenda (Foto: Mayke Toscano)
Governador do Mato Grosso, Mauro Mendes em agenda (Foto: Mayke Toscano)

Após o governador Eduardo Riedel (PSDB) dizer nesta semana que vai manter em 17% a alíquota do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) em Mato Grosso do Sul, foi a vez de o governador do Estado vizinho anunciar a mesma decisão. "Na contramão da maioria dos estados, aqui em Mato Grosso não iremos aumentar impostos. Vamos lutar até o fim para que a Reforma Tributária não penalize o cidadão dessa forma", disse Mauro Mendes (União Brasil) em declaração publicada nas redes sociais.

Além de Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, Santa Catarina e Goiás mantiveram, até o momento, a carga tributária em 17%, a menor do país.

Segundo o governo de MT, 22 Estados indicaram aumento na alíquota de ICMS que chega a 21% para 2023 e 2024. São eles: Acre, Alagoas, Amazonas, Bahia, Ceará, Distrito Federal, Espírito Santo, Maranhão, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Rondônia, Roraima, São Paulo, Sergipe e Tocantins.

"Considero a decisão tão difícil quanto a Lei do Pantanal", disse o governador de Mato Grosso do Sul, Eduardo Riedel, sobre manter o "índice modal", a alíquota mais comum de ICMS cobrada pelo Estado nas operações internas e interestaduais de determinado produto ou serviço. Para 2024, o Estado prevê arrecadar R$ 25 bilhões, sendo R$ 16 bilhões por meio do ICMS.

"Não há perda no momento, até porque o processo todo de recomposição de perdas está estruturado. Nós estamos preservando o crescimento que teve e que pode ter nos próximos cinco anos", afirmou.

Bom momento - O estado vem de uma temporada fiscal considerada positiva. A peça orçamentária incluiu um histórico do orçamento estadual desde o ano de 2014, apontando que até 2018, o concretizado foi menor que o previsto. Já de 2019 em diante, os valores realizados foram melhores do que a previsão orçamentária, em especial de 2020 a 2022.

O aumento do ICMS entrou em pauta após a informação de que o desempenho de 2024 a 2028 seria usado como parâmetro para futuros ressarcimentos do imposto que vai substituir o ICMS, o IBS (Imposto sobre Bens e Serviços). A situação gerou um efeito cascata em quase todo o Brasil, com governadores apresentando o aumento da alíquota.

Recompor perdas? O Ministério da Fazenda chegou a divulgar nota recentemente dizendo que a reforma estava sendo usada como desculpa, quando os estados estavam tentando, na verdade, recompor perdas. Ano passado, com a aprovação de leis complementares, caiu o percentual sobre combustíveis, comunicações e energia e afetou a arrecadação nas unidades da federação.

A PEC (Proposta de Emenda Constitucional) da Reforma Tributária em tramitação na Câmara dos Deputados extingue cinco impostos ligados ao consumo e serviços e deixa dois no lugar, IBS e CBS (Imposto e Contribuição Sobre Bens e Serviços), com competência para as três esferas do Executivo cobrar.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News.


Nos siga no Google Notícias