ACOMPANHE-NOS    
SETEMBRO, SEGUNDA  21    CAMPO GRANDE 19º

Política

Azambuja não descarta uso da tropa de choque aos que insistirem na paralisação

Caminhoneiros hoje se desmobilizam depois de dez dias parados

Por Kleber Clajus e Leonardo Rocha | 30/05/2018 12:45
Governador em reunião com equipe de governo, distribuidoras e Procon (Foto: Leonardo Rocha)
Governador em reunião com equipe de governo, distribuidoras e Procon (Foto: Leonardo Rocha)

Apesar do diálogo, conforme o governador Reinaldo Azambuja (PSDB), quem insistir em se manter parado nas rodovias estaduais ou federais sentirá a "força do Estado". A medida teve anúncio, nesta quarta-feira (30), em paralelo a desmobilização de caminhoneiros.

"Não descartamos, por exemplo, a utilização das polícias e tropa de choque. No entanto, priorizamos o diálogo, tanto que até o momento não tivemos nenhum confronto entre os grevistas e forças de segurança. Precisamos lembrar decisão do STF [Supremo Tribunal Federal] para que se reestabeleça a normalidade [do tráfego nas rodovias]", ressaltou o governador, após reunião entre Procon e distribuidoras pela redução no valor do diesel.

Hoje a paralisação chegou ao décimo dia, mas o movimento começou a dispersar-se em Mato Grosso do Sul. No período ocorreu desabastecimento de combustíveis e indústrias suspenderam suas atividades ao ter matéria-prima e produtos retidos nas rodovias.

Proposta do governo estadual consiste em se reduzir a alíquota do ICMS aplicado ao diesel de 17% para 12%, desde que o movimento fosse desmobilizado no Estado. "Existem grupos aproveitando a greve para politizar a discussão. A Constituição Federal precisa ser cumprida e para aqueles que insistirem em continuar terão a força do Estado, pois não podemos mais aceitar baderna", disse Azambuja, que crê na normalização dos serviços nos próximos dias.