ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
FEVEREIRO, SEXTA  23    CAMPO GRANDE 24º

Política

Bancada feminina encolhe no Senado, mas MS mantém maioria dos últimos 4 anos

Eram 27 vagas e apenas quatro foram ocupadas por mulheres

Jéssica Benitez | 08/10/2022 10:00
Tereza Cristina e Soraya são senadoras por MS (Foto Reprodução)
Tereza Cristina e Soraya são senadoras por MS (Foto Reprodução)

Apenas quatro mulheres foram eleitas ao Senado para o mandato que começa em 2023 e a bancada feminina na Casa de Leis passou de 12 para 10 integrantes. Mato Grosso do Sul, no entanto, manteve configuração de duas mulheres para um homem com a eleição da ex-ministra da Agricultura, Tereza Cristina (PP).

A progressista fica com cadeira deixada por Simone Tebet (MDB) que venceu eleição em 2014 e finda oito anos de mandato. Desta forma, o trio sul-mato-grossense fica completo com Soraya Thronike (União Brasil) e Nelsinho Trad (PSD).

Sendo assim, o Estado continua sendo o único a ter bancada com maioria feminina. Além de Tereza Cristina, foram eleitas Damares Alves (Republicanos – DF), Professora Dorinha (União Brasil – TO), Tereza Leitão (PT-PE).

As quatro representam 12% das 27 vagas que estavam disponíveis para disputa nestas eleições. Ao todo foram 53 candidatas e 179 candidatos e três candidaturas coletivas.

O índice de mulheres na disputa ficou abaixo do mínimo de 33% esperado para as postulantes femininas em todos os cargos, mas subiu quando comparado a 2018.

Ao contrário da Câmara Federal, das Assembleias Legislativas e Câmaras Municipais, a eleição o para senador não é proporcional e sim majoritária, ou seja, vence o nome mais votado.

Todos os estados e o Distrito Federal têm três cadeiras, independente do número de habitantes. Além disso, são oito anos de mandato, porém a cada quatro há eleição para senador. Isso porque o mandato de um acaba enquanto o de dois ainda está na metade.

Por exemplo, Simone ficou por oito anos e agora dá lugar a Tereza Cristina que em 2026 estará na metade de seu mandato, enquanto Soraya e Nelsinho é que estarão terminando suas atividades como senadores, caso não sejam reeleitos.

Nos siga no Google Notícias