A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 15 de Dezembro de 2017

18/12/2013 15:11

Câmara aprova nova suplementação e se prepara para votar orçamento

Kleber Clajus
Vereadores aprovaram por unanimidade pedido de Bernal e se preparam para aprovar orçamento para 2014 (Foto: Marcos Ermínio / Arquivo)Vereadores aprovaram por unanimidade pedido de Bernal e se preparam para aprovar orçamento para 2014 (Foto: Marcos Ermínio / Arquivo)

Os vereadores de Campo Grande aprovaram, nesta quarta-feira (18), nova suplementação de R$ 17 milhões solicitada pelo prefeito Alcides Bernal (PP). A aprovação ocorre no momento em que a Câmara Municipal estuda a possibilidade de zerar o teto de suplementação e votar leis orçamentárias para o próximo ano.

De acordo com a presidente da Comissão Permanente de Orçamento e Finanças, vereadora Grazielle Machado (PR), quando o projeto de lei cumpre a legalidade ele é aprovado.

A autorização de suplementação, solicitada através do Projeto de Lei nº 7.589/13, foi concedida em regime de urgência e distribui R$ 17,612 milhões entre a Sesau (Secretaria Municipal de Saúde), SEINTRHA (Secretaria Municipal de Infraestrutura, Transporte e Habitação) e o IMPCG (Instituto Municipal de Previdência de Campo Grande).

O teto de suplementações, hoje fixado em 5%, pode ser zerado no próximo ano. A possibilidade deve ser discutida mais amplamente durante a votação do PPA (Plano Plurianual), que prevê os investimentos em Campo Grande para os próximos quatro anos, e da LOA (Lei Orçamentária Anual), relativa à previsão de receitas e despesas para 2014, qye estão pautadas para apresentação em Plenário na quinta e sexta-feira, respectivamente.

Grazielle justifica que muitos erros foram apresentados na proposta apresentada pelo Executivo e, no caso da LOA, somente ontem este encaminhou anexos digitalizados a serem incorporados.

“A previsão é de que amanhã entre em pauta o PPA para votação. Já a LOA será encaminhada ao Plenário somente quando houver segurança para votar porque podemos cair em crime de responsabilidade se houverem falhas”, ressalta a republicana.

Já a vereadora Carla Sthephanini (PMDB) pontua que o atraso na aprovação das peças orçamentárias tem origem no Executivo.

“Isso é resultante das imperfeições que a equipe da Prefeitura cometeu na confecção do orçamento e que precisa estar contábil e juridicamente ter alinhamento entre PPA e LOA”, afirma a peemedebista que responde pela relatoria do Plano Plurianual.

Diretor da PF entrega ao STF relatório de investigação sobre ministros
O diretor-geral da Polícia Federal, Fernando Segóvia, entregou hoje (15) à ministra Cármen Lúcia, presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), um re...
TRE realiza plantão para cadastramento biométrico neste sábado na Capital
O TRE-MS (Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso do Sul) realiza neste sábado mais um plantão para atender eleitores de Campo Grande que ainda nã...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions