A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 18 de Dezembro de 2017

29/11/2011 17:09

Câmara vota no dia 8 projeto de área para Faculdade de Direito da UFMS

Edmir Conceição

Cerca de 300 acadêmicos de Direito serão mobilizados para acompanhar votação da autorização para que Prefeitura doe área no Carandá Bosque

Procurador Puccinelli Júnior dá parecer favorável a projeto que autoriza Prefeitura a doar área para a Faculdade de Direito da UFMS.Procurador Puccinelli Júnior dá parecer favorável a projeto que autoriza Prefeitura a doar área para a Faculdade de Direito da UFMS.

Depois do revés da primeira tentativa de assegurar área próxima à Assembleia Legislativa para construção da sede da Faculdade de Direito da UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul), as atenções agora se voltam ao projeto que será votado na Câmara Municipal no dia 8 de dezembro (próxima quinta-feira).

O projeto autoriza a Prefeitura a “desafetar e doar” à Fundação UFMS, área de 28,2 mil metros quadrados no bairro Carandá Bosque. De acordo com o documento, a UFMS têm dois anos para construir a Faculdade de Direito.

O projeto vai tramitar em regime de urgência, por isso a análise terá prazos menores nas comissões da Casa. A matéria recebeu hoje o parecer favorável do Procurador Jurídico da Câmara, André Puccinelli Júnior, e tem o aval do presidente da Casa, vereador Paulo Siufi (PMDB).

Apesar do aval de Siufi, cerca de 300 acadêmicos de Direito serão mobilizados para comparecer à Câmara no dia 8 e pressionar os vereadores pela aprovação. O procurador Puccinelli Júnior analisa que os vereadores vão acatar aprovar a doação pelo alcance da medida e também pelo significado histórico da luta pela construção da sede da Faculdade (Fadir). A votação no dia 8 tem simbolismo - a data é comemorada como Dia da Justiça.

“Hoje o curso de Direito funciona em uma ala inadequada, onde não há auditório nem bancas de avaliação”, lembra, notando que hoje os 800 alunos do curso de Direito da UFMS, do qual é professor titular, enfrentam sérias dificuldades. Para chegar ao Núcleo de Práticas Jurídicas, que funciona como espécie de laboratório dos futuros bacharéis e operadores do Direito, os alunos têm que atravessar a Capital.

Segundo Puccinelli Jr., o interesse público existe porque atende “antigo anseio da comunidade acadêmica da UFMS, que vai permitir desencadear inúmeros projetos de relevante interesse social e beneficiando centenas de estudantes universitários, além de ofertar melhores condições de trabalho aos docentes”. Hoje a Faculdade de Direito da UFMS tem 15 professores titulares.

O procurador, na condição de professor da UFMS, se diz satisfeito pela possibilidade de contribuir com a entidade de ensino na qual leciona e lembra que essa conquista só foi alcançada com o auxílio de todos os professores, alunos e políticos que abraçaram a causa.

“Foi essencial o estímulo da professora Lídia Ribas, do governador André Puccinelli, do prefeito Nelsinho Trad, do presidente da Câmara Paulo Siufi e demais agentes políticos para consumar a doação”.

Entenda o caso - No ano de 2009, o governador André Puccinelli já havia formulado projeto de lei semelhante para doação à UFMS de um terreno contíguo à Assembléia Legislativa visando a construção da Fadir. Os deputados, no entanto, rejeitaram a proposta, alegando de que a nova construção violaria normas ambientais e de que o Parque dos Poderes só poderia abrigar órgãos pertencentes aos três poderes.

Com a rejeição da proposta pelos deputados, o governador costurou com o prefeito Nelsinho a possibilidade de repassar uma área municipal para abrigar a sede da Faculdade. Os docentes da UFMS, encabeçados pela professora Lídia Ribas também entraram em campo e conseguiram sensibilizar o prefeito Nelsinho Trad, que encaminhou a proposta à Câmara Municipal. Agora, com o parecer favorável de Puccinelli Junior, o projeto irá à votação.

O presidente da Câmara, Paulo Siufi, e todos os vereadores sensibilizaram-se com a causa e estão empenhados na aprovação da proposta do Executivo, que deve passar sem dificuldades. “A defesa da cultura e da educação pública de qualidade é a prioridade da Câmara Municipal”, diz Paulo Siufi, deixando claro ser favorável à doação do terreno para construção da Faculdade de Direito da UFMS.



enquanto alguns louvam, eu nao faço o mesmo, pois como morador do CARANDA BOSQUE III acredito que tirará a tranquilidade de um bairro residencial. Sabe-se que irá trazer.. muita bagunça , carroças de cachorros quentes etc...
Espero que dè tudo de errado para essa empreitada.
 
ROBERTO WILLIAM BANGOIM JUNIOR em 16/01/2012 12:24:00
O sr. André Puccinelli Junior pode dar o parecer como procurador da câmara se ele é professor da UFMS?? Ele como professor da instituição é parte interessada no caso. Há claramente um conflito de interesses, ele deu parecer para "ele mesmo"!!!
 
João Antonio de Souza silva em 22/12/2011 10:40:00
Tenho certeza que alguns comentários aqui postados, contra esse projeto, alguns até meio indecifráveis , são determinados por ransos partidários. Não tenho dúvidas que partem de pessoas que não suportam ver a popularidade do Prefeito Nelsinho, cada vez mais se consolidando, com mais essa iniciativa de interesse comum e elevado alcance socio-educacional. Parabens a todos os envolvidos .
 
Alicio Mendes em 22/12/2011 03:24:57
Quero finalmente parabenizar o prefeito e os vereadores, além de conclamar todos os professores, estudantes e advogados que desejam elevar a qualidade de ensino jurídico em Campo Grande/MS a comparecer dia 08.12.11 na Câmara Municipal p/ apoiar o projeto de lei de doação da área para construção da Faculdade de Direito da UFMS.
 
Fábio Matos em 01/12/2011 03:02:18
Esclareço ao Flávio Brito e sua esposa Luíza que a unidade 6 (onde funciona o direito) e o núcleo de prática jurídica estão distantes. Um no campus e outro no centro. Usamos o verbo "atravessar" p/ criticar a necessidade do aluno sair da UFMS e ter de completar seus estudos em outro local que não no campus. A coordenação tbém fica longe das salas de aula. A nova área vai centralizar tudo.
 
fábio matos em 01/12/2011 02:44:19
Sou favorável. Beneficia os alunos e a localização próxima do TJ, da Justiça Federal, da sede do Ministério Público e do futuro TRT é muito boa para os alunos que fazem estágio por convênio nestes órgãos. O terreno fica no limite do Carandá III com a Mata do Jacinto e o Novos Estados, bairros carentes que serão atendidos com o núcle de assistência jurídica gratuita aos necessitados.
 
fábio matos em 01/12/2011 02:35:10
Vejo com bons olhos a mudança da FaDir para o Carandá Bosque. Os acadêmicos estarão bem próximos à OAB e ao Parque dos Poderes. Com todo o respeito aos que defendem idéia oposta, mas essa é uma conquista merecida de todos, alunos, docentes e sociedade.
 
Fabiano Bellesia em 01/12/2011 02:23:47
Sou professor universitário, procurador jurídico e já tive como estagiários vários alunos da UFMS. Sei da real necessidade do curso. O projeto beneficia a todos e merece aplausos.
 
Laudson Cruz em 30/11/2011 11:25:00
Antonio Queiroz: então vai lá e paga a obra, aí quero ver se vai ser benéfico a "TODOS"... Também conheço alunos de lá e sei como se esforçam, mas saiba que não é exclusividade deles, tampouco a falta de estrutura que enfrentam no campus. Essa sua postura é que leva a este tipo de segregação. A Biblioteca está na Cidade Universitária, a Reitoria, Pró-Reitoria... Porque a expansão é benéfica?
 
João Pedro Paz em 30/11/2011 09:48:45


Graças a DEUS que nem tudo esta perdido.
Espero que trabalhem para conquistarem muito mais.
Que seja de exemplo para as outras Regiões.
Feliz NATAL para a Classe, a qual também pertenço.
Muito sucesso. Didi Tenório
 
Abigail Tenório em 30/11/2011 06:35:47
O que tenho a dizer é bem simples: Parabéns aos Vereadores, ao Prefeito, e a todos aqueles que de uma forma ou outra pensam no desenvolvimento da Capital possibilitando a criação de um importante centro de estudos jurídicos em nossa cidade. Toda a luz aos senhores! De resto, sempre existiu, existem e existirá os que, recalcados, derramam fel sobre o trabalho, projetos e esperanças alheias!
 
Antonio Queiroz em 30/11/2011 04:07:40
Ninguém disse que o prédio será construído para evitar q os alunos "atravessem a cidade" para ir à faculdade. Acontece que, atualmente, o núcleo de prática jurídica fica separado fisicamente do campus, e que para ir de um a outro sim os acadêmicos devem atravessar a cidade. A construção do prédio sanaria este problema, pois tanto as salas de aula como o próprio núcleo funcionariam no mesmo prédio.
 
João Elias Basmage em 30/11/2011 04:05:25
Lamentáveis são os comentários movidos pela ausência de informações acerca do assunto. Eu, como acadêmico de Direito da UFMS, posso garantir que NINGUÉM na nossa faculdade se sente superior a ninguém, e ninguém "acha um absurdo dividir as mesmas dependências que outros cursos", como foi dito. Eu, como muitos, adoraria que o prédio fosse construída no campus, se fosse liberada uma área para isso.
 
João Elias Basmage em 30/11/2011 04:01:30
Parabéns ao ilustre Procurador e Advogado pelo parecer, que contempla não só os academicos, mas toda a nossa sociedade, possibilitando a construção de novas salas de aula, auditório, nucleo de pratica jurídica em um unico só lugar, que é de suma importância para o desenvolvimento das atividades inerentes ao curso e a própria formação dos alunos.
 
Nelson Chaia Jr em 30/11/2011 03:25:46
Acho que falta informação pra muita gente que está comentando aqui. Não é que prezamos a construção de um prédio fora do campus, porém, não é permitido construir mais nada dentro dele... Claro que preferiríamos que fosse junto! Quanto a questão da localização, não veria problema de se construir na moreninha se tambem estivessem por la o fórum, o TJ... Acadêmica de Direito UFMS
 
Anna Brites em 30/11/2011 03:11:00
Entendo a necessidade da expansão do Curso de Direito, seja ele qual for, sobretudo de qualidade, coisa rara atualmente, mas daí concordar em colocar um campus universitário dentro do Carandá Bosque? Vai beneficiar quem? Os Academicos esforçados? Todos os academicos são esforçados, não só os da federal, principalmente aqueles que vendem o almoço para comer a janta, das partculares.
 
Gilberto Porto de Figueiredo em 30/11/2011 02:56:51
Fiquei indignado com alguns comentários de pessoas que nunca estiveram numa sala de aula e não conhecem a realidade dos acadêmicos de direito da UFMS. Valeu Campograndenews!!!
 
Laudson Cruz em 30/11/2011 02:15:00
Parabéns aos envolvidos, temos sempre que ressaltar quando boas atitudes são tomadas!!
Sei melhor que ninguém das dificuldades que enfrentamos para tomar nosso curso realidade.

Esperançoso.
Acadêmico do curso de Direito da UFMS!!
 
Luis Eduardo Bernardes em 30/11/2011 01:57:56
Parabéns a todos os envolvidos pela iniciativa!
Fico feliz e mais esperançoso!
Sei, como acadêmico do curso e da instituição, das tantas dificuldades que passamos dia-a-dia e o quanto foi difícil para este projeto se tornar uma realidade de fato!
Torço e peço a todos para que lutemos e não deixemos esta oportunidade passar!

Att, Artur.
Acadêmico do curso de Direito - UFMS
 
Artur Hiane Oshiro em 30/11/2011 01:06:19
Absurdo. Construir faculdade publica em bairro de classe media alta para evitar "q os alunos atravessem a cidade". E os q moram nas periferias atravessarão a cidade p ir no Caranda. Instalações físicas sao menos prioridade que bons professores. Pelo q se sabe poucas sao as disciplinas q contam com professores concursados no curso de Direito. Usem os recursos p seguranca, restaurante universitário
 
Flavio Britto em 29/11/2011 11:28:46
Com todo o respeito aos que me antecederam em comentários, isso me cheira uma grande dor de cotovelo... conheço alunos e alguns professores do curso de direito da ufms e sei como são esforçados... Ao invés de elogiarem a expansão da ufms dentro da cidade o que será benéfico para TODOS, ficam com essas picuinhas, tentando desmerecer o curso e a ufms.... é lamentável!!!
 
Antonio Queiroz em 29/11/2011 08:21:52
Com tanta àrea sobrando no campus, praquê construir no Carandá Bosque? Valorizar o quê pra quém? É cada uma que esses políticos fazem, que até o capeta duvida.
 
Valter Antunes de Oliveira em 29/11/2011 08:04:54
Louvável a iniciativa. Que bom que existem pessoas sérias nesta cidade e emepenhadas em promover a cultura e a educação. Um faculdade de direito só vem a somar. Parabéns às autoridades envolvidas. Estarei acompanhando a votação.
 
Melissa Cadore em 29/11/2011 07:53:07
Os recursos públicos que serão aplicados podem atender ao desenvolvimento de uma das regiões da cidade como, por exemplo, região do Nova Lima, Imbirussu-Serradinho. O Carandá é um bairro residencial/comercial bem desenvolvido, localizado onde as condições de trafego já são complicadíssimas.
 
Luiza Ribeiro Gonçalves em 29/11/2011 07:07:36
Gosto da idéia de ser no Noroeste ou no Dom Antônio, Parque do Sol, Cidade de Deus, também poder ser nas Moreninhas ou na Popular.
 
Luiza Ribeiro Gonçalves em 29/11/2011 07:02:16
A UFMS é imensa, tem espaço de sobra - desprositada esta idéia que só reforça como aguns cursos tem "força" para dobrar a classe política. Sinto que ainda viviemos numa grande currutela..
 
Lucas Sodré em 29/11/2011 06:52:14
Sou totalmente CONTRA. Dentro da UFMS existe espaço suficiente para construção de um bloco voltado à Faculdade de Direito. O que acontece é que muitos (estudantes, coordenadores, professores) acham um absurdo dividir as mesmas dependências que outros cursos, se acham diferenciados, superiores. Ainda por cima, no Carandá? Isso só corrobora com o esplanado. Por que não no Noroeste? Saudações.
 
João Pedro Paz em 29/11/2011 05:49:40
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions