A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 14 de Dezembro de 2017

26/10/2014 11:12

Cartilha do TSE reforça segurança do sistema eletrônico de votação

Daniel Lima, da Agência Brasil

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) lançou a cartilha Sistema Eletrônico de Votação: Perguntas Mais Frequentes. O objetivo é esclarecer o eleitor acerca da urna eletrônica e das dezenas de programas que compõem o sistema eleitoral brasileiro, informou o TSE. O texto procura informar e desmistificar questões a respeito da segurança do processo. A cartilha está disponível no Portal do TSE na internet no site do TSE.

Elaborada pela Secretaria de Tecnologia da Informação (STI) do TSE, a publicação esclarece as principais dúvidas e busca familiarizar, ainda mais, o eleitor com o sistema eletrônico de votação brasileiro, utilizado há 18 anos nas eleições do país e aprovado por 94,4% dos eleitores, segundo pesquisa realizada pelo Instituto Sensus em 2010.

O TSE informou também que frequentemente a imprensa e os eleitores procuram o TSE ou os Tribunais Regionais Eleitorais para esclarecer dúvidas sobre o funcionamento e os mecanismos de segurança do sistema eletrônico de votação. Por isso, a Secretaria de Tecnologia da Informação do tribunal decidiu produzir o material, com 17 perguntas e respostas.

Entres as questões abordadas na cartilha estão: Como o eleitor pode ter certeza da segurança das urnas? A urna eletrônica é vulnerável a ataques externos? Como o TSE controla possíveis violações por pessoas que trabalham para a Justiça Eleitoral? Por que o voto não é impresso? Existe mesmo uma chave única que protege todas as mídias das urnas?

O TSE destaca que a urna eletrônica é um microcomputador de uso específico para eleições, com as seguintes características: resistente, de pequenas dimensões, leve, com autonomia de energia e com recursos de segurança. Dois terminais compõem a urna eletrônica: o terminal do mesário, onde o eleitor é identificado e autorizado a votar (em alguns modelos de urna, a identidade é verificada por meio da biometria), e o terminal do eleitor, onde é registrado numericamente o voto.

O tribunal faz questão de reforçar que a segurança do sistema eletrônico de votação é feita em camadas. Por meio de dispositivos de segurança diferentes, são criadas diversas barreiras que, em conjunto, não permitem que alguém ataque o sistema. Em resumo, qualquer ataque causa um efeito dominó e a urna eletrônica trava, não sendo possível gerar resultados válidos.

Outro mecanismo de segurança adotado pelo TSE nas eleições é a implantação do sistema de identificação biométrica do eleitor, que impede que um pessoa vote por outra.

Marun ainda quer votar relatório da JBS antes de posse no ministério
Na véspera de ser empossado como ministro da Secretaria de Governo, o deputado Carlos Marun (PMDB-MS), relator da Comissão Parlamentar Mista de Inqué...
Senado aprova R$ 1,9 bi a estados para compensar desoneração de exportações
Após suspender a sessão do Congresso Nacional, o presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE), retomou os trabalhos do plenário da Casa com o obj...
Temer discutirá data de votação da reforma da Previdência nesta quinta
O anúncio do líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR), de que a votação da proposta de reforma da Previdência ficará para fevereiro causou r...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions