ACOMPANHE-NOS    
MAIO, DOMINGO  31    CAMPO GRANDE 21º

Política

Cinco gestores municipais já deixaram cargos para disputar eleição

Eles tiveram que deixar os cargos para atender os prazos previstos na legislação eleitoral

Por Leonardo Rocha | 09/04/2020 12:52
Teste na urna eletrônica para pleito eleitoral (Foto: Agência Brasil)
Teste na urna eletrônica para pleito eleitoral (Foto: Agência Brasil)

Cinco gestores municipais de Campo Grande já deixaram cargos, para disputar a eleição de 2020. Eles precisaram sair de suas funções até 4 de abril, porque o prazo fixado é de 6 meses antes do pleito. Esta é a regra para quem vai concorrer ao mandato de vereador.

Dentro deste cenário, a ex-vereadora Carla Stefanini deixou a Subsecretaria Municipal das Mulheres, para tentar novamente uma cadeira na Câmara Municipal. “Para respeitar a legislação eleitoral eu já deixei o cargo e agora vou me dedicar a campanha”, contou ela, que está filiada ao PSD.

Mesma decisão de Maicon Nogueira, que deixou a Subsecretaria da Juventude, para se dedicar a campanha. Será sua primeira disputa eleitoral, também pelo PSD, partido do prefeito Marquinhos Trad.

Houveram outras saídas na gestão municipal, entre elas do subsecretário de Proteção e Defesa do Consumidor Valdir Custódio, que estava a frente do Procon Municipal, assim como (saída) Roberto Avelar, que era diretor-adjunto da Funsat (Fundação Social do Trabalho). Todos eles vão concorrer a vagas na Câmara Municipal.

Secretário estadual, Roberto Hashioka, durante entrevista (Foto: Henrique Kawaminami - Arquivo)
Secretário estadual, Roberto Hashioka, durante entrevista (Foto: Henrique Kawaminami - Arquivo)

Estadual – O secretário estadual de Administração, Roberto Hashioka, confirmou que pretende deixar a pasta até o final de maio, para tentar o quarto mandato como prefeito da cidade de Nova Andradina, que fica a 301 km de Campo Grande. Ele explicou que já comunicou a saída ao governador Reinaldo Azambuja (PSDB).

Hashioka não precisou sair neste começo de abril, porque segundo a legislação eleitoral, quando o secretário (estadual ou municipal) vai disputar a prefeitura, o prazo para deixar o cargo é quatro meses antes do pleito, ou seja, 4 de junho.

Já Silvana Terena deixou o cargo de subsecretária de Assuntos Indígenas para também disputar o cargo de vereadora. “Está na hora de termos uma representante indígena na Câmara Municipal, estou confiante que terei um bom desempenho nesta campanha”.

Dedicação - Outros pré-candidatos a prefeito também largaram suas funções. Paulo Duarte se aposentou na função de auditor fiscal da Sefaz (Secretaria Estadual de Fazenda), e agora vai se dedicar a campanha em Corumbá, onde vai disputar a prefeitura.

Já Esacheu Nascimento (PP) deixou o comando da Santa Casa, com a intenção de disputar a o cargo de prefeito em Campo Grande. Apesar da pandemia de coronavírus, por enquanto o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) manteve todos os prazos previsto no calendário (eleitoral), inclusive a eleição no dia 4 de outubro.