A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 18 de Agosto de 2017

11/07/2014 16:01

Criar fakes no Facebook podem gerar prisão e multa de R$ 100 mil

Ludyney Moura
Representante da OAB/MS revela que órgão criou canal de denúncias para acompanhar possíveis irregularidades na campanha. (Foto: Marcos Ermínio)Representante da OAB/MS revela que órgão criou canal de denúncias para acompanhar possíveis irregularidades na campanha. (Foto: Marcos Ermínio)

A liminar da Justiça Eleitoral que decidiu pela retirada de sete perfis falsos no Facebook, expõe uma ferramenta usada por militantes ligados a determinados candidatos para atacar seus adversários, principalmente durante o período de propaganda eleitoral. Todavia, a criação dos fakes pode acarretar, para o responsável, penas de até dois anos de prisão e multas que podem ultrapassar R$ 100 mil.

O secretário de judiciário do TRE-MS (Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso do Sul), Hardy Waldschmidt, explica o que é permitido nesse período de campanha. “A propaganda é permitida, de acordo com a Lei no 12.034/2009, no site do candidato, partido ou coligação, por meio de mensagem eletrônica, blogs, redes sociais, sítios de mensagens instantâneas e assemelhados, cujo conteúdo seja gerado ou editado por candidatos, partidos ou coligações ou de iniciativa de qualquer pessoa natural” diz.

O que não é permitido, além da propaganda paga, é a manifestação do pensamento do eleitor de forma anônima em favor ou prejuízo de algum candidato. O Congresso Nacional também discute a inclusão dos crimes virtuais pelas redes sociais, no novo Código Penal Brasileiro.

Apesar de ser uma prática que nasceu com o advento da internet, os crimes virtuais, bem como a penalidades para eles, estão previstos no Código Eleitoral, e estão elencando nos artigos 323 a 326.

Para a legislação em questão, “divulgar, na propaganda, fatos que sabe inverídicos, em relação a partidos ou candidatos e capazes de exercerem influência perante o eleitorado”, está sujeito a detenção de dois meses a um ano, ou pagamento de 120 a 150 dias-multa (cada dia multa é estipulada pelo juiz, e não pode ser inferior a R$ 24, nem superior a R$ 724).

O cidadão que “caluniar alguém, na propaganda eleitoral, ou visando fins de propaganda, imputando-lhe falsamente fato definido como crime”, pode pegar de seis meses a dois anos de prisão e pagamento de 10 a 40 dias-multa.

Os artigos 325 e 326, preceituam que tanto “Difamar alguém, na propaganda eleitoral, ou visando a fins de propaganda, imputando-lhe fato ofensivo à sua reputação”, quanto injuriar alguém ofendendo-lhe a dignidade ou o decoro, são práticas sujeitas a detenção de três meses a um ano, e multa que pode chegar a
R$ 43 mil.

Denúncias – A presidente da comissão especial de acompanhamento eleitoral da OAB/MS (Ordem dos Advogados do Brasil, seccional Mato Grosso do Sul), Nilmare Daniele Irala, explica que a entidade também vai fiscalizar a prática. “É importante destacar que nós garantimos o anonimato, mas não receberemos denúncias anônimas. O cidadão que entrar em contato conosco para denunciar essa prática precisa encaminhar junto provas da irregularidade, como imagens, áudios ou vídeos. De posse disso e constatada a irregularidade, vamos acionar as autoridade competentes e acompanhar o desenrolar do processo”, explica a advogada.

Para a representante da OAB/MS, a Polícia Federal, que será acionada pela comissão em caso de flagrante de irregularidade eleitorais, possui ferramentas para identificar os autores desse crime. Quem quiser denunciar alguma irregularidade pode acionar tanto a Ordem dos Advogados, no site: http://eleicoeslimpas.oabms.org.br/ ou pelo disque denúncia: 9987-9235, quanto o próprio TRE, no endereço eletrônico: http://www.tre-ms.jus.br/eleitor/denuncias-eleitorais.

Procurada para comentar sobre as investigações do caso que gerou a liminar da Justiça Eleitoral, a assessoria de imprensa da Superintendência Regional da Polícia Federal comunicou que o órgão ainda não recebeu o pedido de investigação, e só vai se manifestar sobre o caso quando estiver de posse de toda a documentação, o que só deve acontecer no início da próxima semana. 

Justiça manda retirar páginas ofensivas a candidatos no Facebook
O juiz auxiliar do TRE-MS (Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso do Sul), Emerson Cafure, concedeu liminar para retirar do ar páginas “fakes” no...
Polícia já está atenta aos "fakes” criados para atacar candidatos
Em ano eleitoral, a Polícia Civil já está atenta aos perfis falsos criados para “atacar” os candidatos às eleições de 2014. Segundo o delegado Wellin...
Polícia identifica mais perfis "fakes" criados para atacar vereadores da Capital
A Polícia pediu ao Ministério Público Estadual um novo prazo de 30 dias para investigar os perfis falsos criados para “atacar” vereadores, os chamado...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions