A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 20 de Agosto de 2017

11/12/2014 12:23

Defensoria propõe criar 312 cargos para substituir comissionados

Leonardo Rocha
Se não houver entendimento, projeto que cria novos cargos para Defensoria, poderá ficar para 2015 (Foto: Giuliano Lopes)Se não houver entendimento, projeto que cria novos cargos para Defensoria, poderá ficar para 2015 (Foto: Giuliano Lopes)

O projeto, que cria 312 novos cargos para Defensoria Pública, gerou polêmica entre os deputados e com os próprios integrantes da instituição. A proposta prevê a criação de 300 vagas para analista jurídico e 12 de analista em gestão especializado, que serão cargos efetivos, selecionados através de concurso público, para atender determinação do Ministério Público.

A intenção do projeto é ter a autorização para abrir estas 312 vagas efetivas, para serem preenchidas com o tempo através de concursos.

Não haverá aumento de pessoal, já que quando estes novas vagas forem preenchidas, serão dispensados servidores comissionados, com a extinção do cargo de assessores de defensores públicos, em um período de 30 dias, após os cargos forem providos.

A subdefensora pública-geral, Nancy Gomes de Carvalho, explicou que hoje o órgão conta com 384 cargos efetivos, sendo apenas 16 ocupados e 368 vagos.

Em contraste a este cenário, existem 404 cargos comissionados, sendo 297 ocupados e 107 vagos. "Esta situação está irregular, por isso vamos buscar esta autorização para abertura de vagas efetivas, que serão preenchidas através de concursos", ressaltou ela.

O Ministério Público Estadual já abriu inquérito civil em função do baixo número de servidores efetivos, em detrimento dos comissionados, inclusive sugerindo a realização de concurso público.

Nancy ponderou que um concurso será aberto em fevereiro, mas que das 12 vagas de analistas em gestão especializado, serão abertas nesta seleção apenas 4 (vagas), para o cargo de analista jurídico que serão criados 300 cargos, não irão participar deste concurso, apenas nos próximos.

"Desde que recebemos a autonomia em 2005, a Defensoria não realizou concurso, será o primeiro (fevereiro), com vagas para cargos já existentes como analista para administração, auxiliar e técnico e quatro para este cargo novo de analista jurídico", observou ela.

Polêmica - O projeto possui resistência de integrantes da própria instituição, já que existe um colegiado formado por defensores, que não foram consultados sobre estas alterações e por isso reclamam destes novos cargos.

Também existem divergências sobre a extinção de assessores dos defensores, que são comissionados e serão substituídos por analistas jurídicos, que serão efetivos, selecionados através de concurso.

O deputado Marquinhos Trad (PMDB), presidente da Comissão de Constituição e Justiça, pediu para analisar o projeto, já que acredita que vários itens deste precisam ser alterados e modificados.

"O projeto está com o Marquinhos, enquanto ele não liberar não vai a votação, se na semana que vem não houver um entendimento interno da própria Defensoria, assim como a liberação pela comissão, a proposta pode ficar para o ano que vem", explicou o deputado Junior Mochi (PMDB).

Câmara vai homenagear 84 pessoas em sessão do aniversário de 118 anos
A Câmara Municipal de Campo Grande vai homenagear 84 pessoas em sessão solene na próxima quarta-feira (dia 23). Na ocasião, a partir das 19h, serão ...
Moreira Franco: MP das Rodovias dará segurança jurídica e resolverá problemas
O ministro da Secretaria Geral da Presidência, Moreira Franco, afirmou que a MP das Rodovias vai garantir condições de investimento nas concessões at...
Puccineli quer candidato de consenso a presidência do PMDB em MS
Só se for sem disputa. É assim que o ex-governador de Mato Grosso do Sul, André Puccinelli (PMDB), quer disputar o comando da legenda no Estado, nas ...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions