ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
ABRIL, DOMINGO  14    CAMPO GRANDE 24º

Política

Defesa de Marquinhos Trad afirma que cafetina coopta prostitutas

Justiça negou apreensão de celular do pré-candidato e medidas protetivas para mulheres

Aline dos Santos | 26/07/2022 12:30
Advogadas Rejane e Andrea negam que Marquinhos Trad seja autor de crime de assédio sexual. (Foto: Marcos Maluf)
Advogadas Rejane e Andrea negam que Marquinhos Trad seja autor de crime de assédio sexual. (Foto: Marcos Maluf)

Sem divulgar documentos e sem presença do ex-prefeito de Campo Grande e pré-candidato ao governo Marquinhos Trad (PSD), as advogadas Andrea Flores e Rejane Alves Arruda afirmaram que o político, denunciado por assédio sexual, é vítima de uma armação “vergonhosamente política” e que uma cafetina arregimenta garotas de programa para denunciá-lo.

Em entrevista coletiva nesta terça-feira (dia 26), a dupla anunciou um canal, por meio do telefone (67) 9 9968-5685, para acolher essas mulheres, definidas como pessoas aliciadas e amedrontadas. “Conte que foi cooptada, que ofereceram tanto e vamos colaborar no que for preciso”, diz Rejane.

Também foi informado na coletiva que uma jovem recebeu dinheiro para fazer denúncias de crimes sexuais contra o ex-prefeito. Inclusive, com registro de documento em cartório, mas o relato não foi disponibilizado para a imprensa e o fornecimento dos detalhes foi condicionado ao consentimento prévio da denunciante sobre a armação contra Marquinhos.

Enquanto já é ventilado o número de nove denúncias contra o pré-candidato, as advogadas pontuam que tiveram acesso a documentos até sexta-feira (dia 22), que mencionavam quatro casos.

Do total, o ex-prefeito admite relação consensual com duas mulheres, na faixa etária de 30 a 31 anos. O Campo Grande News questionou se algumas delas foi funcionária do Proinc (Programa de Inclusão Profissional).

Andrea afirmou que uma das mulheres teve contrato com o Proinc em 2021, enquanto que as relações sexuais datam de 2020. “Não tem contemporaneidade com as relações sexuais”, defende. A advogada também refuta assédio sexual  pela ligação trabalhista. Neste raciocínio, alega que o Proinc é ligado à Funsat (Fundação Social do Trabalho) e não ao gabinete do então prefeito.

Durante a coletiva, as advogadas afirmaram que só se caracterizaria assédio sexual se houvesse relação de hierarquia entre os envolvidos.

Quebra de sigilo – Após a abertura do inquérito, a Justiça negou medidas protetivas para as denunciantes, além da apreensão do celular e quebra de sigilo telefônico de Marquinhos.

As medidas protetivas foram negadas pela juíza Jacqueline Machado (3ª Vara da Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher), enquanto as demais foram indeferidas pela juíza Eucélia Moreira Cassal (3ª Vara Criminal).

Também foi informado de que num caso de 2018, que envolveu menor de 18 anos, o desembargador Ruy Celso Barbosa Florence arquivou o inquérito.

A expectativa da defesa é terminar o caso em uma reviravolta, com arquivamento das denúncias de crime sexual e condenação dos envolvidos por denunciação caluniosa, violação de sigilo e abuso de autoridade.

Ainda de acordo com as advogadas, outras pessoas foram denunciadas, mas só houve vazamento do nome do pré-candidato.

Nos siga no Google Notícias