ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
ABRIL, QUARTA  17    CAMPO GRANDE 24º

Política

Deputado Fábio Trad diz não endossar indicado para Dnit em MS

Edmir Conceição | 08/01/2012 09:57
Deputado federal Fábio Trad (PMDB-MS) retira apoio à indicação de Carlos Antonio Marcos Pascoal à superintendência estadual do Dnit em MS.
Deputado federal Fábio Trad (PMDB-MS) retira apoio à indicação de Carlos Antonio Marcos Pascoal à superintendência estadual do Dnit em MS.

O deputado federal Fábio Trad (PMDB-MS) afirmou que não endossa mais a indicação do engenheiro Carlos Antonio Marcos Pascoal para a superintendência regional do Dnit (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes) em Mato Grosso do Sul. “Diante dessa situação não posso mais endossar a indicação, o coordenador da bancada deve se manifestar”, disse o deputado ao Campo Grande News, surpreso com a informação de que o indicado fora alvo de auditoria por indícios de irregularidades em obras contratadas sob a supervisão de Pascoal, quando ele atuava no Dnit no Pará e Amapá.

Carlos Antonio Marcos Pascoal responde processo no TCU que apurou irregularidades em três contratos de obras do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento) na BR-163, na divisa de Mato Grosso com o Pará, envolvendo recursos da ordem de meio bilhão de reais. Entre as irregularidades apontadas pelas auditorias estão sobrepreço e superfaturamento por pagamento em duplicidade. Pascoal era supervisor de Construção da Superintendência Regional do Dnit nos Estados do Pará e Amapá. Os contratos foram auditados entre 6 de junho a 29 de julho de 2011.

Segundo despacho do ministro Walton Alencar Rodrigues, assinado em 18 de agosto de 2011, a auditoria apurou que houve falhas na execução e medição de trechos da BR-163-PA, com “deficiência de qualidade, alteração injustificada, superfaturamento decorrente de itens pagos em duplicidade, sobrepreço de quantitativo, liquidação irregular de despesa e fiscalização ou supervisão deficiente ou omissa”.

O Campo Grande News ainda tenta localizar Pascoal, que ao receber a reportagem no dia anterior à descoberta do processo, disponível apenas à CMO (Comissão Mista de Orçamento) da Câmara dos Deputados, não quis fornecer o número de telefones pessoais (celular e residencial).

Nos siga no Google Notícias